20/09/2017

NASCI NA PÓVOA DE VARZIM, A 2 DE OUTUBRO DE 1958...



"Tive a oportunidade de passar por diferentes realidades sociais e políticas, o que me permitiu alargar a minha visão do mundo, evoluir como pessoa.
Foi esta evolução da minha atitude perante o mundo que tentei reflectir nestas páginas. Não se trata de verdades absolutas, mas apenas de impressões e opiniões pessoais, nem o livro é uma autobiografia completa, pois não era esse o meu objectivo. (...)
Não, todas as personagens e acontecimentos são reais, havendo aqui todas as semelhanças com a realidade.
Claro que se trata de fragmentos da minha memória, mas não foram escolhidos com outro fim especial além daquele de mostrar a evolução de um jovem que nasce numa família de pescadores, frequenta um seminário católico, parte para a União Soviética e acaba por lá ficar quase 40 anos. (...)
Depois da invasão da Crimeia pelas tropas russas, as relações entre as pessoas tornaram-se mais tensas, sendo cada vez mais difícil conversar com aqueles de quem fui amigo durante muitos anos. O mundialmente famoso escritor russo Lev Tolstoi escreveu que "O patriotismo é o último refúgio dos canalhas", pensamento particularmente válido hoje, quando esse sentimento é empregue para atiçar o ódio de uns contra outros, contra todos os que não se deixam formatar pela propaganda.
Por essas razões, e também porque 38 anos já era muito tempo, decidi regressar ao meu país, onde tento integrar-me novamente, tentando aprender a andar de novo no solo pátrio. Quando se vive tanto tempo longe de Portugal, compreende-se de forma muito profunda que temos o melhor país do mundo, mas também se entende quão mal gerido ele é. É pena".

1991, Moscovo, Mário Soares, Carlos Fino, José Milhazes, Maria Barroso


" Este livro de leitura irresistível permite-nos espreitar
 outro mundo, noutro tempo."
                                                                                                   Cristina Peres, Expresso



Para ficar a conhecer um pouco da História do século XX, do nosso século 
e os seus protagonistas, o Leitor só tem de nos visitar e
requisitar o mais recente livro do jornalista José Milhazes







15/09/2017

PARA SEMPRE É MUITO TEMPO

Para a sua leitura de fim de semanasugerimos uma das autoras de maior sucesso a nível mundial e também uma das preferidas dos nossos leitores.


"Alma ia ter pela frente muitos anos para analisar com serenidade os seus atos de 1955. Nesse ano teve consciência da realidade e as tentativas para atenuar a vergonha imensa que a atormentava foram inúteis. A vergonha da irresponsabilidade de ficar grávida de Ichimei, de amar Ichimei menos do que a si mesma, do seu horror à pobreza, de ceder à pressão social e aos preconceitos raciais, de aceitar o sacrifício de Nathaniel, de não se sentir à altura da amazona moderna que fingia ser, do seu carácter pusilânime, convencional e mais meia dúzia de epítetos com os quais se castigava."
                                                                                                                In, O Amante Japonês




O Amante Japonês percorre diversas épocas e lugares, que fizeram história no século XX. A Segunda Guerra Mundial, o genocídio judeu, os campos de concentração americanos para os japoneses e nipo-americanos, a sida, a homossexualidade, woodstock, as drogas...

Mas voltemos ao princípio ...
Em 1939, quando a Polónia capitula sob o jugo dos nazis, os pais da jovem Alma Belasco enviam-na para casa dos tios, uma opulenta mansão em São Francisco. Aí, Alma conhece Ichimei Fukuda, o filho do jardineiro japonês da casa. Entre os dois brota um romance ingénuo, mas os jovens amantes são forçados a separar-se. Na sequência do ataque a Pearl Harbor, Ichimei e a família - como milhares de outros nipo-americanos - são declarados inimigos e enviados para campos de internamento.
Alma e Ichimei voltarão a encontrar-se ao longo dos anos, mas o seu amor permanece condenado aos olhos do mundo.
Décadas mais tarde, Alma prepara-se para se despedir de uma vida emocionante. Instala-se na Lark House, um excêntrico lar de idosos, onde conhece Irina Bazili, uma jovem funcionária com um passado igualmente turbulento. Irina torna-se amiga do neto de Alma, Seth, e juntos irão descobrir a verdade sobre uma paixão extraordinária que perdurou por quase setenta anos.



"- Para sempre é muito tempo, Alma. 
Creio que voltaremos a encontrar-nos em circunstâncias mais adequadas ou noutras vidas."                                                                                                                                                                              
                                         


Isabel Allende nasceu a 2 de agosto em Lima, no Peru.
Viveu no Chile entre 1945 e 1975, com largos períodos de residência noutros locais, na Venezuela até 1988 e, desde então, na Califórnia. Começou por trabalhar como jornalista, no Chile e na Venezuela. Em 1982, o seu primeiro romance, A Casa dos Espíritos, baseada nas recordações da sua infância, converteu-se num dos títulos míticos da literatura latino-americana. Seguiram-se muitos outros, todos eles êxitos internacionais.
A sua obra está traduzida em trinta e cinco línguas. Já foi galardoada, em 2010, com o Prémio Nacional de Literatura do Chile e homenageada, em 2014, pelo antigo Presidente dos EUA, Barack Obama, com a Medalha Presidencial da Liberdade.


"Ninguém conta histórias sobre mulheres fortes de um modo tão apaixonante como Isabel Allende"
                                                                                                                    Cosmopolitan


Pintura de Didier Lourenço



Bom Fim de Semana e Boas Leituras 




06/09/2017

SE ALGO PODE CORRER MAL, CORRERÁ MAL

No século XXI muitas coisas podem vir a correr mal.
Mais uma vez se aplica, a já sobejamente conhecida e confirmada ad nauseam, lei de Murphy: "Se algo pode correr mal, correrá mal". Não adianta nada ficar ansioso, porque podemos ter a certeza de que "se sabemos que algo pode correr mal e tomamos as devidas precauções, correrá mal outra coisa qualquer" e, para cúmulo, esta é uma lei que se concretiza sempre na pior das alturas.
Mas não desanimemos, porque "a experiência permite-nos reconhecer um erro sempre que o voltamos a fazer" e tem também a vantagem de "nos levar a cometer erros novos em vez dos antigos".
Além disso "existe sempre uma solução fácil para qualquer problema humano - clara, plausível e ... errada". Mas podemos sempre optar por não fazer nada, pois "quanto menos se faz, menos coisas podem correr mal".
Resta-nos aguardar, sem pressas, por todos os males que aí vêm, pois "ser pontual significa apenas que o nosso erro será cometido a tempo".

  • A política é arte de obter votos dos pobres e fundos de campanha dos ricos prometendo a ambos protegê-los uns dos outros.
  • Se dois homens concordam em tudo, é porque só um deles está a pensar.
  • A probabilidade de um computador bloquear é diretamente proporcional à importância do documento em que se está a trabalhar.
  • Estamos a fazer progressos. As coisas estão a piorar mais devagar.




Aqui estão as leis de Murphy, ao seu dispor na Biblioteca Municipal, que o irão acompanhar no seu dia a dia no século XXI  e que o vão ajudar a perceber que não está sozinho em maré de azar.
Informática, engenharia, comunicação, desporto, etc, etc...nada escapa.
E lembre-se que o "sujeito a quem acabou de tirar o lugar no parque de estacionamento será de certo aquele que o irá entrevistar para o seu novo emprego".



Arthur Bloch, autor norte americano, é um dos autores mais lidos do mundo, conseguindo, através de uma escrita inventiva e inteligente, transmitir sentido de humor partindo de situações que nada têm de engraçado. Arthur Bloch reúne princípios de Murphy e adapta-os a situações da vida real, introduzindo-lhes sempre muito humor e boa disposição, conduzindo os leitores à gargalhada. Talvez por isso, os seus livros sejam bestsellers mundiais. 





E já agora, 
sabe o leitor quem foi Murphy?




Edward A. Murphy (11/01/1918 - 17/07/1990) foi um engenheiro aeroespacial da NASA, que criou, em 1960, um princípio que atribui significados matemáticos às circunstâncias catastróficas, destacando que se houver a probabilidade de ocorrer uma catástrofe, ela vai certamente acontecer. Formulou a sua "lei" na sequência de testes feitos para medir os efeitos da aceleração e desaceleração em pilotos e baseia-se na nossa memória seletiva perante factos ocorridos, que explica a tendência que temos para a negatividade, dando especial ênfase aos pontos negativos em detrimento dos positivos ou neutros.


Os seres humanos são os únicos animais capazes de voltar atrás 
e cometer os erros que antes tinham evitado.



Não cometa o erro de não ler este livro




23/08/2017

CONSEGUE ADIVINHAR?



"Entre as melhores pessoas da minha vida, estão alguns livros"
                                                               Valter Hugo Mãe





Caro Leitor, junte a família e ao som dos AC/DC  tente adivinhar o nome dos filmes
 que se passam nestas fantásticas Bibliotecas!







"Para você, eu era um capítulo.
Para mim, você era o livro"
                                                                                    Charles Bukowski



Boa Semana com Boas Leituras e Bons Filmes

18/08/2017

O SEGREDO DA MINHA IRMÃ


               

Um segredo com mais de 20 anos


Entre uma bolacha e um chá, as nossas leitoras reuniram-se
para tentar decifrar o segredo da irmã da Riley.
Uma história misteriosa que nos prende a cada virar de página,
com personagens apaixonantes e reviravoltas inesperadas.


Para ficar a saber qual é o segredo...
O Leitor só tem que se deslocar à Biblioteca Municipal e requisitar este livro,
que faz parte das nossas escolhas (A)Gosto,
para a sua leitura de fim de semana.


Escrito por Diane Chamberlain
Publicado pela Topseller
O Segredo da Minha Irmã





Depois da morte do pai, Riley MacPherson regressa a casa para organizar as cerimónias fúnebres e tratar da divisão dos bens. No entanto, em vez de conseguir fechar um ciclo doloroso e encontrar a tranquilidade de que tanto precisa, Riley depara-se com a possibilidade de, afinal, ter sido adotada.
Teria, realmente, vivido 25 anos a acreditar numa mentira? que outras revelações estariam ali, prontas para serem descobertas?
Confusa e sedenta de respostas, inicia uma investigação arriscada para encontrar toda a verdade sobre a sua origem. Uma busca emocionante que acaba por desenterrar informações e factos misteriosos acerca da sua irmã Lisa, uma violinista-prodígio que, supostamente, teria cometido suicidio há mais de 20 anos.
À medida que as peças do puzzle se encaixam, Riley percebe que nada é o que parece. Resta saber se estará preparada para a verdade e se será capaz de a aceitar de braços abertos.



"- Conseguiste a tua liberdade, Lisa, mas eu e o Danny apanhámos prisão perpétua, 
sendo obrigados a viver numa casa cheia de mentiras"





Diane Chamberlain é uma autora bestseller norte-americana, com 23 títulos publicados em mais de 20 línguas. Apaixonada pela leitura e pela escrita desde criança, viu o seu primeiro romance publicado em 1989, título esse que lhe valeu um prémio RITA, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
É licenciada em Serviço Social pela Universidade de San Diego, ainda que não exerça a sua profissão para poder dedica-se inteiramente à escrita e aos livros. Para a autora, a verdadeira magia da escrita está na possibilidade de tocar os leitores com as suas palavras.
Atualmente, vive na Carolina do Norte com o seu marido e os seus dois cães, Keeper e Jet.



Ilustração de C.F. Payne


BOM FIM DE SEMANA E BOAS LEITURAS



09/08/2017

PRECISO QUE VÁ AO ESTRANGEIRO NUMA MISSÃO



"- E para onde é que eu vou exatamente? (...)
 - Birmânia? - sussurrou. (...)
 - Sim. Mas hoje em dia chama-se Myanmar, sabe disso? (...)
A visita à Birmânia era uma viagem demasiado cara para as suas posses, mas, mais do que isso, durante muito tempo o país tinha sido uma zona interdita por motivos políticos. Eva lera sobre a agitação entre as tribos das montanhas, o governo repressivo, e a prisão domiciliária de Aung San Suu Kyi, a mulher que todos adoravam e que sacrificara a sua vida pessoal para lutar pela democracia para o seu povo."





Caro Leitor, caso não possa ir em missão ao estrangeiro,
propomos-lhe uma leitura irresistível com excelentes descrições
que servem uma história intrigante que emociona do princípio ao fim.
Com paisagens, aromas inebriantes dos mercados,
das ruas e das fragrâncias dos jardins,
somos transportados para os cenários mágicos da Terra Dourada



Rosanna Ley escreveu
Porto Editora editou
Regresso a Mandalay




Eva Gatsby interrogou-se inúmeras vezes sobre o passado do avô, Lawrence Fox, e o que teria exatamente acontecido na Birmânia, quando ele ainda jovem ali viveu. Eva dedica-se à restauração de antiguidades e os patrões propõem-lhe uma viagem de trabalho àquele país - sobre o qual a avô desde sempre lhe contara histórias fascinantes. É então que Lawrence decide quebrar o silêncio e finalmente falar-lhe do grande amor da sua vida, Maya, a mulher que nunca esqueceu. Numa tentativa de sarar as feridas do passado, confia a Eva uma missão que se revelará de contornos imprevisíveis.
Eva inicia, assim, uma jornada que irá reconstruir o mosaico da história da família e que em simultâneo a obrigará a confrontar-se com a sua capacidade de voltar a acreditar no amor.



"- Há uma coisa que deveria ter sido feita há muito , muito tempo - murmurou ele. - Eu já não posso, claro, é demasiado tarde para mim. Talvez tenha cometido um erro terrível. Não sei bem se é esse o caso. Mas se tu..."
                                                                                                                 





Rosanna Ley é professora de escrita criativa e é autora de inúmeros artigos e histórias publicados em diversas revistas no Reino Unido. Os seus romances estão editados em 15 países. 
A autora passa férias em locais que lhe servem de inspiração e quando não está a viajar, vive no West Dorset, junto ao mar.






Boa Semana e Boas Leituras




04/08/2017

PASSE E ESCOLHA . . . [A]GOSTO

Faça as suas escolhas (a)gosto e leia, . . . da forma que mais gostar.


Assim, . . . no sofá:



Ou assim, . . . na praia:



Ou assim, . . . com companhia:


Ou assim, . . . de uma forma mais fresca:






Na Biblioteca Municipal pode fazer as suas escolhas.













Escolha (a)gosto . . . a melhor forma e o melhor livro.












LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...