Mostrar mensagens com a etiqueta LEITURA DE FIM-DE-SEMANA. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta LEITURA DE FIM-DE-SEMANA. Mostrar todas as mensagens

junho 22, 2018

LEITURA PARA AS FÉRIAS

Se vai de férias e quer levar alguma coisa para ler, mas está hesitante, sem saber o que escolher. Então aceite as nossas sugestões.

O ASSALTO
de DANIEL SILVA
Bertrand Editora



UM ESPIÃO EM DESGRAÇA.
UMA OBRA DE ARTE DESAPARECIDA.
UMA MISSÃO ARRISCADA.


O lendário restaurador de arte e espião ocasional Gabriel Allon está em Veneza a restaurar um altar de Veronese quando recebe uma chamada urgente da polícia italiana. Julian Isherwood, o excêntrico negociante de arte londrino, deparou com o cenário de um homicídio brutal e agora é suspeito do crime. Para salvar o amigo, Gabriel tem não só de descobrir os verdadeiros assassinos, como também de encontrar a mais famosa das obras de arte desaparecidas: a Natividade com São Francisco e São Lourenço, de Caravaggio.
A sua missão levará Allon de Paris e Londres aos submundos do crime em Marselha e na Córsega e, finalmente, a um pequeno banco privado na Áustria, onde um homem perigoso guarda a fortuna suja de um cruel ditador. Ao seu lado, o espião tem uma jovem corajosa que sobreviveu a um dos piores massacres do século XX e que tem agora a possibilidade de se vingar da dinastia que lhe destruiu a família. Um livro elegante, sofisticado e de leitura compulsiva que deixará os fãs de Gabriel Allon cativados desde as primeiras páginas.


Se preferir a versão original, em língua inglesa, também a poderá requisitar na Biblioteca Municipal.


THE HEIST


"Esplêndido. Tem todos os elementos que adoramos em Daniel Silva: a intriga, as personagens inesquecíveis e todo o leque de emoções que se vão acumulando ao longo das páginas."
Huffington Post




DANIEL SILVA, escritor americano de livros de espionagem, nascido em 1960, é filho de pais açorianos, emigrados nos Estados Unidos. Foi jornalista e trabalhou para a UPI, primeiro em Washington e depois no Cairo, como correspondente para o Médio Oriente. Nesse período cobriu diversos conflitos políticos e a guerra Irão-Iraque. Conheceu a sua mulher, correspondente da NBC, e regressaram aos Estados Unidos, onde Daniel Silva foi produtor da CNN durante vários anos, tendo sido responsável por alguns programas muito populares, como CrossfireThe International Hour e The World Yoday, entre outros. Em 1997, logo após o êxito do seu primeiro livro, The Unlikely Spy, Daniel Silva resolveu dedicar-se por completo à escrita, tendo entretanto publicado diversos best-sellers mundiais. 


O Washington Post coloca-o «entre os melhores jovens autores norte-americanos de literatura de espionagem» e é com frequência comparado a Graham Greene e a John Le Carré. Vive em Washington D. C., com a mulher e dois filhos.

Veja Aqui,
livros do autor disponíveis na Biblioteca Municipal









maio 18, 2018

A IGREJA SÓ PRECISA DA VERDADE

"Em 1917, a Virgem Maria revelara-se a três crianças do campo num grande vale chamado Cova da Iria, nos arredores da aldeia portuguesa de Fátima. Jacinta e Francisco Marto eram irmãos. Ela tinha sete anos e ele nove. Lúcia Santos, prima direita de ambos, tinha dez. A mãe de Deus apareceu seis vezes entre maio e outubro, sempre no décimo  terceiro dia de cada mês, no mesmo local, à mesma hora. Na última aparição, estavam presentes milhares de pessoas, que viram o sol a dançar no céu, um sinal celestial de que as visões eram reais.
(...) Foi durante a Sua aparição de julho que a Virgem transmitiu três segredos aos jovens videntes. Lúcia revelou os dois primeiros alguns anos depois, e incluiu-os mesmo nas suas memórias, publicadas no início dos anos quarenta, mas só Jacinta e Lúcia ouviram a Virgem a transmitir o terceiro segredo".




Cidade do Vaticano, no presente: o secretário papal, o padre Colin Michener, está preocupado com o Sumo Pontífice. após várias noites de ansiedade, o Papa Clemente XV entra na "Riserva" do Vaticano onde se encontram os documentos mais clandestinos e controversos da Igreja. Embora não saiba pormenores, Michener tem a certeza de que a ansiedade do Papa é causada pelas revelações de Fátima.
Quando o Papa Clemente envia Michener numa misteriosa missão às montanhas da Roménia, tem início uma perigosa cadeia de acontecimentos. Michener vê-se envolvido em homicídios, suspeitas, suicídios, logros. Numa procura desesperada de respostas, fica a saber que o terceiro segredo de Fátima pode ditar o destino da própria Igreja - um destino que está agora nas suas mãos. 


Escrito por Steve Berry
Editado pela Dom Quixote
O Terceiro Segredo




E o leitor encontrará as revelações de Fátima num romance controverso
chocante e explosivo, que sugerimos como leitura para o seu fim de semana.

Fotografia de Kelly Campbell
Steve Berry nasceu em 1955 e é um autor de livros policiais norte-americano.
Em 1990 começou a escrever e em 2000 foi o vencedor do prémio Georgia State Bar, para novos autores de ficção do estado da Georgia.
Em 2005 foi eleito o autor do ano pela Georgia Writer's Association.
Os seus livros estão traduzidos em 40 idiomas com mais de 17 milhões de exemplares vendidos em 51 países.
"No âmbito da investigação que levei a cabo para escrever este romance, desloquei-me a Itália e à Alemanha. Porém, este livro nasceu da minha educação católica precoce e do fascínio que desde sempre Fátima exerceu em mim".


De Steve Berry, para além do livro que sugerimos para leitura de fim de semana, o Leitor encontrará os seguintes títulos na Biblioteca Municipal para empréstimo domiciliário:
  • O Elo de Alexandria
  • A Traição Veneziana
  • O Legado dos Templários
  • A Profecia Romanov


"A igreja só precisa da verdade"
                                                   Leão XIII, Papa de 28/02/1878 a 20/07/1903


Sarah Afonso (1899 - 1983)


Boa Leitura





dezembro 15, 2017

NÃO SOU O ÚNICO



"Os Stones foram a banda que me levou a ser músico e me levou a tocar guitarra"




"Aprendi e experimentei muitas coisas. Tive algumas relações amorosas importantes, que me ensinaram muito e me fizeram crescer. Tenho orgulho na minha carreira profissional e gosto do que faço. Sou um homem feliz e apaixonado pela vida. Para além disso, tive uma sorte incrível por tudo o que vivi, o que faço e a família que tenho. Não tenho queixa nenhuma."
                                                                             
Entrevista a Inês Mestre em julho de 2004


A partir da próxima semana e até ao fim do mês,a nossa mostra bibliográfica
no átrio de entrada da Biblioteca Municipal será dedicada a biografias.

Assim, sugerimos-lhe ler a biografia de Zé Pedro
guitarrista dos Xutos & Pontapés,
escrita pela sua irmã Helena Reis,
editado pela Presença.




Neste livro somos convidados a entrar no mundo de Zé Pedro, dos seus sonhos, das suas paixões. Viajamos à sua infância festiva e luminosa, aos verões intemporais na praia do Vau, aos anos de adolescência nos Olivais, ao estonteante começo dos Xutos & Pontapés, aos amores vividos e sonhados, às conversas lânguidas e intermináveis no alpendre da casa de Melides, aos grandes sucessos da banda e ao fervor dos fãs, ao Johnny Guitar e ao panorama musical da época, às incontáveis tournées pelo país e estrangeiro... e sempre às muitas e belíssimas histórias que o acompanharam e nos encantaram.
É uma viagem apaixonante e irresistível que este livro nos propõe e uma oportunidade única de ficarmos a conhecer por dentro o sonho inabalável de um homem que mudou para sempre a história do rock português e que nos deixou no passado dia  30 de novembro.




"Foi ele que me fez imaginar que afinal era possível. Não só era possível, estava a acontecer!"
                                                                                                            Tim













novembro 30, 2017

OS HOMENS PODEM SER TÃO EFICAZES COMO DEUS


"Pareceu-lhe que a região estava a morrer por falta de árvores. 
Acrescentou depois que, não tendo afazeres muito importantes, 
decidira remediar a situação."



Inspirado em acontecimentos verdadeiros, a nossa sugestão de leitura para o seu fim de semana, relata o poder que o ser humano tem para influenciar o mundo à sua volta.

Narra a vida de um homem e o seu esforço solitário, constante e paciente, para fazer do sítio onde vive um lugar especial. Com as suas próprias mãos e uma generosidade sem limites, desconsiderando o tamanho dos obstáculos, faz, do nada, surgir uma floresta inteira - com um ecossistema rico e sustentável.
É um livro admirável que nos mostra como um homem humilde e insignificante aos olhos da sociedade, a viver longe do mundo e usando apenas os seus próprios meios, consegue reflorestar sozinho uma das regiões mais inóspitas e áridas de França.
Continua a ser lido por milhares de leitores em todo o mundo e a servir-lhes de inspiração, transformando a sua relação com a natureza e fazendo-os acreditar na sua própria força interior.
Foi escrito em 1953 e é um livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 3º ciclo - Leitura autónoma.

O HOMEM QUE PLANTAVA ÁRVORES
Escrito por Jean Giono
Editado pela Marcador



"Disse-lhe que, daí a trinta anos, esses dez mil carvalhos estariam magníficos.
 Ele respondeu-me simplesmente que, se Deus lhe desse vida, 
dentro de trinta anos teria plantado tantas outras árvores que estas dez mil não passariam então de uma gota de água no oceano".



Jean Giono nasceu a 30 de março de 1895 em Manosque, filho único de um sapateiro e de uma lavadeira, foi um dos grandes escritores franceses da sua geração. A sua prodigiosa produção literária inclui histórias, ensaios, poesia, peças de teatro, traduções e mais de 30 romances.
A sua atitude pacifista levou-o a ser preso duas vezes em França durante a Segunda Guerra Mundial.
Viveu sempre muito ligado à zona da Provença e a Manosque - pequena cidade onde nasceu, viveu e onde faleceu a 9 de outubro de 1970.
Foi galardoado com o Prix Bretano, o Prix de Monaco (pela totalidade da sua obra), a Légion d'Honneur, e era membro da Académie Goncourt.










outubro 20, 2017

NA COSTA DO SOL PORTUGUESA VIVIA-SE MUITO BEM . . .

Baseado em factos reais, este romance, 
que sugerimos para sua Leitura de Fim de Semana,
vai agarrar o Leitor da primeira à ultima página.


"- E, entretanto, a tua mãe e eu aqui em cuidados por tua causa, sem poder dormir. Parece-te bem? Há menos de duas horas que informei a polícia do teu desaparecimento. Por acaso já te esqueceste de que, há oito anos, tentaram assassinar-te? Na altura, tinhas só dez anos e não soubeste que eras tu o alvo, mas agora já não tens desculpa. És um irresponsável.
- Papá!
- Deixa-me falar: não quero que voltes a ver essa rapariga, está a ouvir?
- Nenhuma, mas tu sim, pela simples razão de que és meu herdeiro e isso exige de ti espírito de sacrifício e objetivos mais elevados.
- Mas pensa que eu me quero casar com ela?
- É melhor não o fazeres, se queres ser rei de Espanha quando eu abdicar ou morrer. A tua futura esposa, Juanito, tem de ser uma mulher de estirpe real, educada para ser rainha, e não uma rapariga vulgar. Amantes podes ter todas as que quiseres, como o teu avô, mas esposa só uma e de sangue tanto ou mais azul que o teu. estamos entendidos?
- Perfeitamente, papá".
                                                                                
                                                                                               
Escrito por José María Zavala
Editado pelo Clube do Autor
O SEGREDO DO REI

zoom


Estoril, 1956. Juan Carlos vive um romance apaixonado com a jovem Mafalda Cornaro. Porém, um acidente com a sua arma de fogo vitima o infante Alfonso, mudando o rumo da vida do herdeiro do trono de Espanha.
Para investigar o sucedido, os governos de Salazar e de Franco montam uma operação policial. O agente português José Alberto da Costa, infiltrado na Villa Giralda, e o espanhol Julio Mora assumem a responsabilidade da investigação, que os levará até Paris, onde se esconde o cérebro da organização criminosa.

"Um grande romance, que nos mantém agarrados da primeira à última página,
 e com um final surpreendente"
                                                                              Julia Navarro



José María Zavala, jornalista, historiador e autor de referência sobre a História de Espanha, nasceu em Madrid em 1962. Estudioso dos arquivos e da documentação sobre a Casa de Bourbon, publicou sobre a mesma diversas obras. Além disso, é autor de uma trilogia sobre a Guerra Civil de Espanha.
A nossa sugestão de leitura para o seu fim de semana é o seu primeiro romance. Nele, o autor, um dos maiores especialistas na Casa Real de Espanha, aborda uma das etapas mais desconhecidas da biografia de Juan Carlos e faz um retrato de Portugal sob o regime de Salazar.




Bom Fim de Semana com Boas Leituras




outubro 06, 2017

A MORTE NÃO O QUIS E A VIDA PARECIA TER OUTROS PLANOS PARA ELE


"Os SMS, a televisão, os computadores, a crise europeia, o desemprego, o direito ao voto dos homens, depois das mulheres, depois dos negros, o cinema, a fecundação in vitro, a Nespresso, o seio da Sabrina que se escapa do biquíni no teledisco de Boys, Boys, Boys, o crédito rotativo, o caso do sangue contaminado, o direito a uma vida digna dos homens, depois das mulheres, depois dos animais, depois dos negros, depois dos homossexuais, a construção do Muro de Berlim, a destruição do Muro de Berlim e, entre as duas coisas, o seio da Sabrina que se escapa do vestido durante uma gala de beneficência transmitida por uma grande cadeia de televisão italiana. Era incrível, a quantidade de coisas que Napoleão tinha perdido!"
                                                                                                        In, Re-Viva o Imperador



Napoleão atravessando os Alpes
Pintura de Jacques-Louis David 1748-1825


Leu bem Caro Leitor
Napoleão andou a perder isto tudo!!
E nãoele não morreu a 5 de maio de 1821 em Santa Helena!!
E se lhe dissermos que foi pescado pela traineira norueguesa Usenkbare?


Para confirmar o que acima foi dito
este fim de semana vai divertir-se com a nossa sugestão de leitura.


Escrito pelo Romain Puértolas
Editado pela Porto Editora
Re-Viva o Imperador




Mantido em perfeito estado de conservação pelas águas glaciais do mar do Norte, repescado por uma traineira e depois descongelado, Napoleão Bonaparte regressa à vida no momento dos atentados jihadistas de Paris, mesmo a tempo de salvar o mundo... Desde François Hollande até às bailarinas de cancã do Moulin Rouge, ninguém ficará indiferente!
A Europa do século XXI vive assolada pelo medo, que não conhece fronteiras e que se respira em Paris como um pouco por todo o lado. Será mais difícil ao Imperador habituar-se a este novo paradigma do que à recém-descoberta Coca-Cola Light, delicioso champanhe negro, que não só não lhe tolda o raciocínio como faz ainda maravilhas à sua célebre úlcera; mas será em direção a Raqqa, a capital do autoproclamado Estado Islâmico, que o seu Novo Grande Exército irá marchar. 




"- Para onde quer que eu olhe, vejo pessoas de todas as raças, de todos os estratos sociais. Africanos, magrebinos, asiáticos e até uns quantos raros franceses.
- São todos franceses, Sire. Só a cor é que muda.
- Ah. Então, descobristes uma maneira de os integrar, de viver em harmonia, de viver todos juntos, apesar das diferenças...Bravo!
- Não se entusiasme, tudo o que vê não passa de uma bela fachada cor-de-rosa. Lá por trás, o homem continua a ser um predador para o homem. Continua a haver injustiças, racismo, intolerância. Os povos continuam a travar guerras por causa da cor da pele ou da religião..."
                                                                                                       
In, Re-Viva o Imperador




Romain Puértolas, de origem franco-espanhola, nasceu em Montpellier, a 21 de dezembro de 1975. Levado pelas voltas do destino a Espanha e a Inglaterra, foi DJ, professor de línguas, tradutor-intérprete, comissário de bordo e mágico. De regresso a França, trabalhou durante quatro anos como inspetor da polícia numa brigada especializada no desmantelamento de redes de imigração ilegal.Viciado confesso na escrita compulsiva, o autor fez a sua estreia no universo literário com a obra A incrível viagem do faquir que ficou fechado num armário IKEA, publicado entre nós em 2014, também pela Porto Editora. O seu segundo romance, A menina que engoliu uma nuvem do tamanho da Torre Eiffel, foi publicado no ano seguinte, também pela mesma editora.
Atualmente Romain Puértolas dedica-se exclusivamente à escrita. Mas nunca foi imperador.


E para acompanhar a sua leitura nada melhor que um napoleão





Longa Vida ao Imperador




setembro 29, 2017

CUIDADO COM AS ÁGUAS CALMAS


"Estava obcecada com o rio e os seus segredos, e esse tipo de obsessão nunca acaba bem."


A revista Time diz que é um dos livros mais aguardados de 2017.
Para os nossos leitores, também.
Pois bem, essa espera acaba hoje.


Para leitura do seu fim de semana
sugerimos um livro profundamente original e surpreendente sobre as formas 
devastadoras que o passado encontra para voltar a assombrar-nos no presente.


Escrito por Paula Hawkins
Editado pela Topseller
Escrito na Água



Nel vivia obcecada com as mortes no rio. 
O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a da melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada em encontrar respostas.
Agora, é ela que aparece morta.
Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel, a temer pela sua vida?
Que segredos escondem aquelas águas?
Para descobrir a verdade, Jules vai ser forçada a enfrentar recordações e medos terríveis, há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície.


"- Portanto, morreram duas mulheres naquele rio este ano? - perguntei eu. - Duas mulheres que se conheciam uma à outra, que estavam ligadas... - o inspetor não disse nada, não olhou para mim, e eu nem sequer sabia bem se ele me estava a ouvir. 
- Quantas é que morreram lá? Quer dizer, no total?
- Desde quando? - perguntou ele, voltando a abanar a cabeça. - Quanto é que gostaria de recuar no tempo?
Como disse, é muito esquisito mesmo."



Paula Hawkins nasceu a 26 de agosto de 1972 no Zimbabué. Em 1989 mudou-se para Londres, onde vive atualmente. Foi jornalista na área financeira durante 15 anos, antes de se dedicar inteiramente à escrita de ficção.
A Rapariga do Comboio, foi traduzido em mais de 40 línguas, com cerca de 20 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo.  Em Portugal, é o livros mais vendido desde 2015, tendo atingido os 130 000 exemplares editados. Do livro resultou um filme de sucesso, protagonizado por Emily Blunt, que alcançou o primeiro lugar das bilheteiras.
A nossa sugestão de leitura de fim de semana é o seu segundo thriller, cujos direitos para filme já foram comprados pela Dreamworks. A autora fará parte da produção executiva.


Cuidado com as águas calmas.
Não sabemos o que escondem no fundo.



setembro 15, 2017

PARA SEMPRE É MUITO TEMPO

Para a sua leitura de fim de semanasugerimos uma das autoras de maior sucesso a nível mundial e também uma das preferidas dos nossos leitores.


"Alma ia ter pela frente muitos anos para analisar com serenidade os seus atos de 1955. Nesse ano teve consciência da realidade e as tentativas para atenuar a vergonha imensa que a atormentava foram inúteis. A vergonha da irresponsabilidade de ficar grávida de Ichimei, de amar Ichimei menos do que a si mesma, do seu horror à pobreza, de ceder à pressão social e aos preconceitos raciais, de aceitar o sacrifício de Nathaniel, de não se sentir à altura da amazona moderna que fingia ser, do seu carácter pusilânime, convencional e mais meia dúzia de epítetos com os quais se castigava."
                                                                                                                In, O Amante Japonês




O Amante Japonês percorre diversas épocas e lugares, que fizeram história no século XX. A Segunda Guerra Mundial, o genocídio judeu, os campos de concentração americanos para os japoneses e nipo-americanos, a sida, a homossexualidade, woodstock, as drogas...

Mas voltemos ao princípio ...
Em 1939, quando a Polónia capitula sob o jugo dos nazis, os pais da jovem Alma Belasco enviam-na para casa dos tios, uma opulenta mansão em São Francisco. Aí, Alma conhece Ichimei Fukuda, o filho do jardineiro japonês da casa. Entre os dois brota um romance ingénuo, mas os jovens amantes são forçados a separar-se. Na sequência do ataque a Pearl Harbor, Ichimei e a família - como milhares de outros nipo-americanos - são declarados inimigos e enviados para campos de internamento.
Alma e Ichimei voltarão a encontrar-se ao longo dos anos, mas o seu amor permanece condenado aos olhos do mundo.
Décadas mais tarde, Alma prepara-se para se despedir de uma vida emocionante. Instala-se na Lark House, um excêntrico lar de idosos, onde conhece Irina Bazili, uma jovem funcionária com um passado igualmente turbulento. Irina torna-se amiga do neto de Alma, Seth, e juntos irão descobrir a verdade sobre uma paixão extraordinária que perdurou por quase setenta anos.



"- Para sempre é muito tempo, Alma. 
Creio que voltaremos a encontrar-nos em circunstâncias mais adequadas ou noutras vidas."                                                                                                                                                                              
                                         


Isabel Allende nasceu a 2 de agosto em Lima, no Peru.
Viveu no Chile entre 1945 e 1975, com largos períodos de residência noutros locais, na Venezuela até 1988 e, desde então, na Califórnia. Começou por trabalhar como jornalista, no Chile e na Venezuela. Em 1982, o seu primeiro romance, A Casa dos Espíritos, baseada nas recordações da sua infância, converteu-se num dos títulos míticos da literatura latino-americana. Seguiram-se muitos outros, todos eles êxitos internacionais.
A sua obra está traduzida em trinta e cinco línguas. Já foi galardoada, em 2010, com o Prémio Nacional de Literatura do Chile e homenageada, em 2014, pelo antigo Presidente dos EUA, Barack Obama, com a Medalha Presidencial da Liberdade.


"Ninguém conta histórias sobre mulheres fortes de um modo tão apaixonante como Isabel Allende"
                                                                                                                    Cosmopolitan


Pintura de Didier Lourenço



Bom Fim de Semana e Boas Leituras 




agosto 18, 2017

O SEGREDO DA MINHA IRMÃ


               

Um segredo com mais de 20 anos


Entre uma bolacha e um chá, as nossas leitoras reuniram-se
para tentar decifrar o segredo da irmã da Riley.
Uma história misteriosa que nos prende a cada virar de página,
com personagens apaixonantes e reviravoltas inesperadas.


Para ficar a saber qual é o segredo...
O Leitor só tem que se deslocar à Biblioteca Municipal e requisitar este livro,
que faz parte das nossas escolhas (A)Gosto,
para a sua leitura de fim de semana.


Escrito por Diane Chamberlain
Publicado pela Topseller
O Segredo da Minha Irmã





Depois da morte do pai, Riley MacPherson regressa a casa para organizar as cerimónias fúnebres e tratar da divisão dos bens. No entanto, em vez de conseguir fechar um ciclo doloroso e encontrar a tranquilidade de que tanto precisa, Riley depara-se com a possibilidade de, afinal, ter sido adotada.
Teria, realmente, vivido 25 anos a acreditar numa mentira? que outras revelações estariam ali, prontas para serem descobertas?
Confusa e sedenta de respostas, inicia uma investigação arriscada para encontrar toda a verdade sobre a sua origem. Uma busca emocionante que acaba por desenterrar informações e factos misteriosos acerca da sua irmã Lisa, uma violinista-prodígio que, supostamente, teria cometido suicidio há mais de 20 anos.
À medida que as peças do puzzle se encaixam, Riley percebe que nada é o que parece. Resta saber se estará preparada para a verdade e se será capaz de a aceitar de braços abertos.



"- Conseguiste a tua liberdade, Lisa, mas eu e o Danny apanhámos prisão perpétua, 
sendo obrigados a viver numa casa cheia de mentiras"





Diane Chamberlain é uma autora bestseller norte-americana, com 23 títulos publicados em mais de 20 línguas. Apaixonada pela leitura e pela escrita desde criança, viu o seu primeiro romance publicado em 1989, título esse que lhe valeu um prémio RITA, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
É licenciada em Serviço Social pela Universidade de San Diego, ainda que não exerça a sua profissão para poder dedica-se inteiramente à escrita e aos livros. Para a autora, a verdadeira magia da escrita está na possibilidade de tocar os leitores com as suas palavras.
Atualmente, vive na Carolina do Norte com o seu marido e os seus dois cães, Keeper e Jet.



Ilustração de C.F. Payne


BOM FIM DE SEMANA E BOAS LEITURAS



julho 28, 2017

DESCULPE, SENHOR INSPETOR HOUVE UM CRIME.


É sexta-feira, vem aí mais um Fim de Semana que, para muitos de nós, é também o começo das tão desejadas Férias, mas . . . não se está a esquecer de nada, Caro Leitor?

Ilustração de Denis Zilber


Para que o Leitor não tenha de se preocupar com a leitura, 
aceite a nossa sugestão de leitura de fim de semana que tem como 
pano de fundo o Portugal contemporâneo, um país traído por uma elite política corrupta, 
que sofre sob o peso dos seus próprios erros históricos.



A SENTINELA
Escrito por Richard Zimler
Editado pela Porto Editora


6 de julho de 2012. Henrique Monroe, inspetor-chefe da Polícia Judiciária, é chamado a um luxuoso palacete de Lisboa para investigar o homicídio de Pedro Coutinho, um abastado construtor civil. Depois de interrogar a filha da vítima, Monroe começa a acreditar que Coutinho foi assassinado ao tentar defender a perturbada adolescente do violento assédio sexual de algum amigo da família. Ao mesmo tempo, uma pen que o inspetor descobre escondida na biblioteca da casa contém alguns ficheiros com indícios de que a vítima poderá também ter sido silenciada por um dos políticos implicados na rede de corrupção que o industrial montara para conseguir os seus contratos.


"Todo o assassinato é um sinal de fracasso - fracasso em perdoar, em compreender, em conseguir justiça de outra maneira. Em encontrar uma porta de saída.
Por isso pergunto-me que fracasso se esconderá ensopado em sangue no tapete de Coutinho.
O mais provável é que um dos seus amigos ou conhecidos, com cuja mulher ou namorada Coutinho ..."


Para chegar ao desfecho deste crime, 
só tem que vir à Biblioteca Municipal e requisitar o livro.



Richard Zimler nasceu a 1 de janeiro de 1956 em Roslyn, um subúrbio de Nova Iorque. Fez um bacharelato em Religião Comparada na Duke University e um mestrado em jornalismo na Stanford University. Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de São Francisco.
Em 1990 foi viver para o Porto, onde lecionou jornalismo, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. No últimos 19 anos, publicou 10 romances, uma coletânea de contos e dois livros para crianças, que rapidamente entraram nas listas de bestsellers de vários países (Portugal, Brasil, EUA, Inglaterra, Itália, ...).
O autor tem atualmente dupla nacionalidade, americana e portuguesa.
A 9 de julho deste ano recebeu a Medalha Municipal de Honra da Cidade do Porto e confere ao agraciado o título de "Cidadão do Porto".


Richard Zimler já ganhou diversos prémios:
  • Em 1994 o National Endowment of the Arts Fellowship in Fiction (EUA)
  • Em 1998 o Prémio Herodotus (EUA) para o melhor romance histórico
  • Em 2009 o Prémio literátio Alberto Benveniste 
  • Em 2009 o seu livro Os Anagramas de Varsóvia foi nomeado o Melhor Livro de 2009 pela revista LER e pelos alunos das escolas secundárias de Portugal - Prémio Marquês de Ouro
  • Ainda em 2009, o autor escreveu o guião para a curta-metragem O Espelho Lento, baseado num dos seus contos. O filme foi realizado nesse mesmo ano pela realizadora sueco-portuguesa Solveig Nordlund e venceu o Prémio de Melhor Filme Dramático no Festival de Curtas-Metragens de Nova Iorque em maio de 2010.



" Richard Zimler é um escritor emblemático e de indispensável leitura"
                                                                   Helena Vasconcelos



Ilustração de Iban Barrenetxea


Boas Leituras





maio 26, 2017

ACCEPTASNE ELECTIONEM?


"Este voltou-se para a assembleia e anunciou que sua eminência, cardeal Luca Rossini, fora eleito bispo de Roma e sucessor de Pedro, Príncipe dos Apóstolos, por uma maioria de dois votos". 
In, Eminência
                                                                                                                                  
                                         

Em 1998, um ano antes de morrer, Morris West dá-nos a conhecer Luca Rossini. Um argentino que foi eleito Papa.
Será que chega a ser entronizado?
Já em 1988, a ficção de Morris West assumiu o estatuto de profecia realizada com o seu romance As Sandálias do Pescador. Este romance girava em torno da eleição de um papa eslavo. Anos mais tarde o arcebispo polaco Karol Wojtyla foi eleito papa e adotou o nome de João Paulo II.


Mas voltemos ao cardeal Luca Rossini, a personagem principal do romance de
MORRIS WEST,
A EMINÊNCIA,
editado pelas Publicações Europa América,
 e que sugerimos para leitura do seu fim de semana.




É-nos narrada a história da próxima eleição papal e de algumas personagens que talvez nela venham a participar. Entre elas, a de maior importância é a Eminência, Luca, o cardeal Rossini, um homem que conheceu a tortura e a degradação pessoal enquanto, na juventude, exercia o sacerdócio na Argentina e que, depois de se exilar em Roma, foi nomeado pelo pontífice para ocupar um cargo importante. No entanto, esta obra vai além dos meandros políticos do Vaticano. Nela vamos encontrar paixão, ternura e intriga, suspense e drama e é provável que também venha a revelar-se profética.



Morris West nasceu a 26 de abril de 1916 em Melbourne, na Austrália. Aos 14 anos entrou para a Ordem dos Irmão Cristãos, onde tomou votos, aí tendo exercido as funções de monge docente durante oito anos. Em 1941, pouco antes de professar, abandonou a Ordem. Alistou-se então no exército australiano, trabalhando para os Serviços Secretos durante a segunda guerra mundial.
Em 1985, foi correspondente do Daily Mail na cidade do Vaticano. Essa experiência permitiu-lhe recolher muitos conhecimentos sobre os meandros eclesiásticos, que utilizou na concepção de vários dos seus romances.
Após ter vivido muitos anos na Grã-Bretanha e noutros países europeus, Morris West regressou à Austrália, a Sydney, onde foi nomeado presidente do Conselho da Biblioteca Nacional do seu país.
Apesar de ter sido um católico praticante até à sua morte a 9 de outubro de 1999, Morris West não deixou de criticar as posições da Igreja das quais discordava. Muitos dos seus romances, que estão à disposição do Leitor na Sala de Leitura, tratam de Papas, intrigas internas do Vaticano e como o poder do catolicismo se alastra pela política.



Fotografia de George Marks

Bom Fim de Semana com Boas Leituras

abril 13, 2017

SE PUDERES, AFASTA DE MIM ESSE CÁLICE


"O beijo de Judas Iscariotes, o beijo mais célebre da História, não foi de modo 
algum o beijo de um traidor: os emissários dos sacerdotes do Templo 
que vieram prender Jesus no final da Última Ceia não
 precisavam minimamente que Judas Iscariotes lhes apontasse o mestre." 
                                                                                                                       In Judas



Amos Oz, escritor israelita mais conhecido e lido do mundo, co-fundador do movimento pacifista Paz Agora,  nasceu em Jerusalém a 4 de maio de 1939. Em 1917 os seus pais fugiram de Odessa, na Ucrânia, para Vilnius, na Lituânia, e daí foram, em 1933, para o Mandato Britânico da Palestina. Em 1954 entrou para o Kibbutz Hulda.
Estudou Literatura e Filosofia na Universidade Hebraica de Jerusalém, entre 1960 e 1963, tendo publicado nessa altura os seus primeiros contos.
Amos Oz participou na Guerra dos Seis Dias e na Guerra do Yom-Kippur e fundou na década de 70, juntamente com outros elementos, o movimento pacifista israelita Schalom Achschsw- Paz Agora.
Atualmente dedica-se à militância a favor da paz entre palestinianos e israelitas e é professor de literatura na Universidade Ben-Gurion, no deserto do Neguev.
A sua vasta obra, que inclui romances e ensaios, está traduzida em mais de 30 línguas, alguns dos quais o Leitor pode encontrar na sua Biblioteca:
  • Uma Pantera na Cave
  • Não Chames à Noite Noite
  • O Mesmo Ar
  • Conhecer uma Mulher
  • Contra o Fanatismo
  • Uma história de Amor e Trevas

Os seus livros têm recebido as mais importantes distinções internacionais:
  • 1988 - Prémio Femina
  • 1992 - Prémio da Paz dos Livreiroa Alemães
  • 1998 - Prémio Israel de Literatura
  • 2005 - Prémio Goethe
  • 2007 - Prémio Príncipe das Asturias
  • 2013 - Prémio Franz Kafka


"Precisamos de líderes israelitas, palestinianos e árabes com coragem para tomar decisões
 vistas como "traição" pelo seu próprio povo. Se estes líderes vão aparecer, não sei. 
É difícil ser profeta na terra do profeta. 
Por aqui há muita competição no negócio das profecias". 
                                                                                                                     Amos Oz



O seu mais recente romance, e que hoje sugerimos para as suas mini-férias de Páscoa,
publicado o ano passado pela Dom Quixote, foi galardoado  com o
Prémio Internacional de Literatura  - Casa das Culturas do Mundo 2015 (Alemanha) 
e é um dos finalistas do Prémio Man Booker Internacional deste ano.


É um romance sobre traidores e amantes, pais e filhos, mulheres e homens. Numa prosa sensível e bem-humorada, evoca conflitos pessoais e políticos, teologia e heresia, lealdade e traição, explorando o lado sombrio da história judaico-cristã e o legado trágico da história judaico-árabe. Uma obra-prima perfeita e necessária, nas palavras de Alberto Manguel.


No inverno de 1959-1960, em Jerusalém, quando esta se encontra ainda dividida entre Israel e Jordânia - e uma cerca de arame farpado atravessa a terra de ninguém separando as duas metades inimigas -, a vida de Samuel Asch está prestes a sofrer uma reviravolta. Samuel é um rapaz tímido, sensível, socialista, de entusiasmo fácil e desilusão imediata, estudante da Universidade Hebraica. Ainda longe de terminar a sua tese de doutoramento, "Jesus visto pelos judeus", com particular fascínio pela personagem e o mistério de Judas, o seu mundo começa a desabar: a namorada abandona-o, os pais declaram falência e ele já não pode subsidiar os seus estudos.
Samuel encontra refúgio e emprego numa antiga casa de pedra situada num extremo de Jerusalém. Durante algumas horas diárias a sua função é servir de interlocutor a Gershom Wald, um septuagenário com uma vasta cultura. Mas aí mora também Atalia Abravanel, uma mulher enigmática e sensual.
Quem é realmente Atalia? O que a liga a Gershom? Quem é o dono da casa onde vivem? Que histórias escondem aquelas paredes? Ao mesmo tempo, Samuel retoma a pesquisa para a sua tese e a misteriosa e maldita figura de Judas Iscariotes - a suposta encarnação da traição e da maldade - vai absorvendo-o irremediavelmente e ganhando uma visão inovadora e impressionante. 


"A traição de Judas não ocorreu quando alegadamente beijou Jesus à chegada dos guardas. 
A sua traição, se é que existiu traição, aconteceu no momento da morte de Jesus na cruz. 
Foi nesse momento que Judas perdeu a fé.
 E ao perder a fé, perdeu igualmente o gosto de viver".
                                                                                                                    In Judas













LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...