Mostrar mensagens com a etiqueta LEITURA DE FIM-DE-SEMANA. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta LEITURA DE FIM-DE-SEMANA. Mostrar todas as mensagens

20/10/2017

NA COSTA DO SOL PORTUGUESA VIVIA-SE MUITO BEM . . .

Baseado em factos reais, este romance, 
que sugerimos para sua Leitura de Fim de Semana,
vai agarrar o Leitor da primeira à ultima página.


"- E, entretanto, a tua mãe e eu aqui em cuidados por tua causa, sem poder dormir. Parece-te bem? Há menos de duas horas que informei a polícia do teu desaparecimento. Por acaso já te esqueceste de que, há oito anos, tentaram assassinar-te? Na altura, tinhas só dez anos e não soubeste que eras tu o alvo, mas agora já não tens desculpa. És um irresponsável.
- Papá!
- Deixa-me falar: não quero que voltes a ver essa rapariga, está a ouvir?
- Nenhuma, mas tu sim, pela simples razão de que és meu herdeiro e isso exige de ti espírito de sacrifício e objetivos mais elevados.
- Mas pensa que eu me quero casar com ela?
- É melhor não o fazeres, se queres ser rei de Espanha quando eu abdicar ou morrer. A tua futura esposa, Juanito, tem de ser uma mulher de estirpe real, educada para ser rainha, e não uma rapariga vulgar. Amantes podes ter todas as que quiseres, como o teu avô, mas esposa só uma e de sangue tanto ou mais azul que o teu. estamos entendidos?
- Perfeitamente, papá".
                                                                                
                                                                                               
Escrito por José María Zavala
Editado pelo Clube do Autor
O SEGREDO DO REI

zoom


Estoril, 1956. Juan Carlos vive um romance apaixonado com a jovem Mafalda Cornaro. Porém, um acidente com a sua arma de fogo vitima o infante Alfonso, mudando o rumo da vida do herdeiro do trono de Espanha.
Para investigar o sucedido, os governos de Salazar e de Franco montam uma operação policial. O agente português José Alberto da Costa, infiltrado na Villa Giralda, e o espanhol Julio Mora assumem a responsabilidade da investigação, que os levará até Paris, onde se esconde o cérebro da organização criminosa.

"Um grande romance, que nos mantém agarrados da primeira à última página,
 e com um final surpreendente"
                                                                              Julia Navarro



José María Zavala, jornalista, historiador e autor de referência sobre a História de Espanha, nasceu em Madrid em 1962. Estudioso dos arquivos e da documentação sobre a Casa de Bourbon, publicou sobre a mesma diversas obras. Além disso, é autor de uma trilogia sobre a Guerra Civil de Espanha.
A nossa sugestão de leitura para o seu fim de semana é o seu primeiro romance. Nele, o autor, um dos maiores especialistas na Casa Real de Espanha, aborda uma das etapas mais desconhecidas da biografia de Juan Carlos e faz um retrato de Portugal sob o regime de Salazar.




Bom Fim de Semana com Boas Leituras




06/10/2017

A MORTE NÃO O QUIS E A VIDA PARECIA TER OUTROS PLANOS PARA ELE


"Os SMS, a televisão, os computadores, a crise europeia, o desemprego, o direito ao voto dos homens, depois das mulheres, depois dos negros, o cinema, a fecundação in vitro, a Nespresso, o seio da Sabrina que se escapa do biquíni no teledisco de Boys, Boys, Boys, o crédito rotativo, o caso do sangue contaminado, o direito a uma vida digna dos homens, depois das mulheres, depois dos animais, depois dos negros, depois dos homossexuais, a construção do Muro de Berlim, a destruição do Muro de Berlim e, entre as duas coisas, o seio da Sabrina que se escapa do vestido durante uma gala de beneficência transmitida por uma grande cadeia de televisão italiana. Era incrível, a quantidade de coisas que Napoleão tinha perdido!"
                                                                                                        In, Re-Viva o Imperador



Napoleão atravessando os Alpes
Pintura de Jacques-Louis David 1748-1825


Leu bem Caro Leitor
Napoleão andou a perder isto tudo!!
E nãoele não morreu a 5 de maio de 1821 em Santa Helena!!
E se lhe dissermos que foi pescado pela traineira norueguesa Usenkbare?


Para confirmar o que acima foi dito
este fim de semana vai divertir-se com a nossa sugestão de leitura.


Escrito pelo Romain Puértolas
Editado pela Porto Editora
Re-Viva o Imperador




Mantido em perfeito estado de conservação pelas águas glaciais do mar do Norte, repescado por uma traineira e depois descongelado, Napoleão Bonaparte regressa à vida no momento dos atentados jihadistas de Paris, mesmo a tempo de salvar o mundo... Desde François Hollande até às bailarinas de cancã do Moulin Rouge, ninguém ficará indiferente!
A Europa do século XXI vive assolada pelo medo, que não conhece fronteiras e que se respira em Paris como um pouco por todo o lado. Será mais difícil ao Imperador habituar-se a este novo paradigma do que à recém-descoberta Coca-Cola Light, delicioso champanhe negro, que não só não lhe tolda o raciocínio como faz ainda maravilhas à sua célebre úlcera; mas será em direção a Raqqa, a capital do autoproclamado Estado Islâmico, que o seu Novo Grande Exército irá marchar. 




"- Para onde quer que eu olhe, vejo pessoas de todas as raças, de todos os estratos sociais. Africanos, magrebinos, asiáticos e até uns quantos raros franceses.
- São todos franceses, Sire. Só a cor é que muda.
- Ah. Então, descobristes uma maneira de os integrar, de viver em harmonia, de viver todos juntos, apesar das diferenças...Bravo!
- Não se entusiasme, tudo o que vê não passa de uma bela fachada cor-de-rosa. Lá por trás, o homem continua a ser um predador para o homem. Continua a haver injustiças, racismo, intolerância. Os povos continuam a travar guerras por causa da cor da pele ou da religião..."
                                                                                                       
In, Re-Viva o Imperador




Romain Puértolas, de origem franco-espanhola, nasceu em Montpellier, a 21 de dezembro de 1975. Levado pelas voltas do destino a Espanha e a Inglaterra, foi DJ, professor de línguas, tradutor-intérprete, comissário de bordo e mágico. De regresso a França, trabalhou durante quatro anos como inspetor da polícia numa brigada especializada no desmantelamento de redes de imigração ilegal.Viciado confesso na escrita compulsiva, o autor fez a sua estreia no universo literário com a obra A incrível viagem do faquir que ficou fechado num armário IKEA, publicado entre nós em 2014, também pela Porto Editora. O seu segundo romance, A menina que engoliu uma nuvem do tamanho da Torre Eiffel, foi publicado no ano seguinte, também pela mesma editora.
Atualmente Romain Puértolas dedica-se exclusivamente à escrita. Mas nunca foi imperador.


E para acompanhar a sua leitura nada melhor que um napoleão





Longa Vida ao Imperador




29/09/2017

CUIDADO COM AS ÁGUAS CALMAS


"Estava obcecada com o rio e os seus segredos, e esse tipo de obsessão nunca acaba bem."


A revista Time diz que é um dos livros mais aguardados de 2017.
Para os nossos leitores, também.
Pois bem, essa espera acaba hoje.


Para leitura do seu fim de semana
sugerimos um livro profundamente original e surpreendente sobre as formas 
devastadoras que o passado encontra para voltar a assombrar-nos no presente.


Escrito por Paula Hawkins
Editado pela Topseller
Escrito na Água



Nel vivia obcecada com as mortes no rio. 
O rio que atravessava aquela vila já levara a vida a demasiadas mulheres ao longo dos tempos, incluindo, recentemente, a da melhor amiga da sua filha. Desde então, Nel vivia ainda mais determinada em encontrar respostas.
Agora, é ela que aparece morta.
Sem vestígios de crime, tudo aponta para que Nel se tenha suicidado no rio. Mas poucos dias antes da sua morte, ela deixara uma mensagem à irmã, Jules, num tom de voz urgente e assustado. Estaria Nel, a temer pela sua vida?
Que segredos escondem aquelas águas?
Para descobrir a verdade, Jules vai ser forçada a enfrentar recordações e medos terríveis, há muito submersos naquele rio de águas calmas, que a morte da irmã vem trazer à superfície.


"- Portanto, morreram duas mulheres naquele rio este ano? - perguntei eu. - Duas mulheres que se conheciam uma à outra, que estavam ligadas... - o inspetor não disse nada, não olhou para mim, e eu nem sequer sabia bem se ele me estava a ouvir. 
- Quantas é que morreram lá? Quer dizer, no total?
- Desde quando? - perguntou ele, voltando a abanar a cabeça. - Quanto é que gostaria de recuar no tempo?
Como disse, é muito esquisito mesmo."



Paula Hawkins nasceu a 26 de agosto de 1972 no Zimbabué. Em 1989 mudou-se para Londres, onde vive atualmente. Foi jornalista na área financeira durante 15 anos, antes de se dedicar inteiramente à escrita de ficção.
A Rapariga do Comboio, foi traduzido em mais de 40 línguas, com cerca de 20 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo.  Em Portugal, é o livros mais vendido desde 2015, tendo atingido os 130 000 exemplares editados. Do livro resultou um filme de sucesso, protagonizado por Emily Blunt, que alcançou o primeiro lugar das bilheteiras.
A nossa sugestão de leitura de fim de semana é o seu segundo thriller, cujos direitos para filme já foram comprados pela Dreamworks. A autora fará parte da produção executiva.


Cuidado com as águas calmas.
Não sabemos o que escondem no fundo.



15/09/2017

PARA SEMPRE É MUITO TEMPO

Para a sua leitura de fim de semanasugerimos uma das autoras de maior sucesso a nível mundial e também uma das preferidas dos nossos leitores.


"Alma ia ter pela frente muitos anos para analisar com serenidade os seus atos de 1955. Nesse ano teve consciência da realidade e as tentativas para atenuar a vergonha imensa que a atormentava foram inúteis. A vergonha da irresponsabilidade de ficar grávida de Ichimei, de amar Ichimei menos do que a si mesma, do seu horror à pobreza, de ceder à pressão social e aos preconceitos raciais, de aceitar o sacrifício de Nathaniel, de não se sentir à altura da amazona moderna que fingia ser, do seu carácter pusilânime, convencional e mais meia dúzia de epítetos com os quais se castigava."
                                                                                                                In, O Amante Japonês




O Amante Japonês percorre diversas épocas e lugares, que fizeram história no século XX. A Segunda Guerra Mundial, o genocídio judeu, os campos de concentração americanos para os japoneses e nipo-americanos, a sida, a homossexualidade, woodstock, as drogas...

Mas voltemos ao princípio ...
Em 1939, quando a Polónia capitula sob o jugo dos nazis, os pais da jovem Alma Belasco enviam-na para casa dos tios, uma opulenta mansão em São Francisco. Aí, Alma conhece Ichimei Fukuda, o filho do jardineiro japonês da casa. Entre os dois brota um romance ingénuo, mas os jovens amantes são forçados a separar-se. Na sequência do ataque a Pearl Harbor, Ichimei e a família - como milhares de outros nipo-americanos - são declarados inimigos e enviados para campos de internamento.
Alma e Ichimei voltarão a encontrar-se ao longo dos anos, mas o seu amor permanece condenado aos olhos do mundo.
Décadas mais tarde, Alma prepara-se para se despedir de uma vida emocionante. Instala-se na Lark House, um excêntrico lar de idosos, onde conhece Irina Bazili, uma jovem funcionária com um passado igualmente turbulento. Irina torna-se amiga do neto de Alma, Seth, e juntos irão descobrir a verdade sobre uma paixão extraordinária que perdurou por quase setenta anos.



"- Para sempre é muito tempo, Alma. 
Creio que voltaremos a encontrar-nos em circunstâncias mais adequadas ou noutras vidas."                                                                                                                                                                              
                                         


Isabel Allende nasceu a 2 de agosto em Lima, no Peru.
Viveu no Chile entre 1945 e 1975, com largos períodos de residência noutros locais, na Venezuela até 1988 e, desde então, na Califórnia. Começou por trabalhar como jornalista, no Chile e na Venezuela. Em 1982, o seu primeiro romance, A Casa dos Espíritos, baseada nas recordações da sua infância, converteu-se num dos títulos míticos da literatura latino-americana. Seguiram-se muitos outros, todos eles êxitos internacionais.
A sua obra está traduzida em trinta e cinco línguas. Já foi galardoada, em 2010, com o Prémio Nacional de Literatura do Chile e homenageada, em 2014, pelo antigo Presidente dos EUA, Barack Obama, com a Medalha Presidencial da Liberdade.


"Ninguém conta histórias sobre mulheres fortes de um modo tão apaixonante como Isabel Allende"
                                                                                                                    Cosmopolitan


Pintura de Didier Lourenço



Bom Fim de Semana e Boas Leituras 




18/08/2017

O SEGREDO DA MINHA IRMÃ


               

Um segredo com mais de 20 anos


Entre uma bolacha e um chá, as nossas leitoras reuniram-se
para tentar decifrar o segredo da irmã da Riley.
Uma história misteriosa que nos prende a cada virar de página,
com personagens apaixonantes e reviravoltas inesperadas.


Para ficar a saber qual é o segredo...
O Leitor só tem que se deslocar à Biblioteca Municipal e requisitar este livro,
que faz parte das nossas escolhas (A)Gosto,
para a sua leitura de fim de semana.


Escrito por Diane Chamberlain
Publicado pela Topseller
O Segredo da Minha Irmã





Depois da morte do pai, Riley MacPherson regressa a casa para organizar as cerimónias fúnebres e tratar da divisão dos bens. No entanto, em vez de conseguir fechar um ciclo doloroso e encontrar a tranquilidade de que tanto precisa, Riley depara-se com a possibilidade de, afinal, ter sido adotada.
Teria, realmente, vivido 25 anos a acreditar numa mentira? que outras revelações estariam ali, prontas para serem descobertas?
Confusa e sedenta de respostas, inicia uma investigação arriscada para encontrar toda a verdade sobre a sua origem. Uma busca emocionante que acaba por desenterrar informações e factos misteriosos acerca da sua irmã Lisa, uma violinista-prodígio que, supostamente, teria cometido suicidio há mais de 20 anos.
À medida que as peças do puzzle se encaixam, Riley percebe que nada é o que parece. Resta saber se estará preparada para a verdade e se será capaz de a aceitar de braços abertos.



"- Conseguiste a tua liberdade, Lisa, mas eu e o Danny apanhámos prisão perpétua, 
sendo obrigados a viver numa casa cheia de mentiras"





Diane Chamberlain é uma autora bestseller norte-americana, com 23 títulos publicados em mais de 20 línguas. Apaixonada pela leitura e pela escrita desde criança, viu o seu primeiro romance publicado em 1989, título esse que lhe valeu um prémio RITA, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance.
É licenciada em Serviço Social pela Universidade de San Diego, ainda que não exerça a sua profissão para poder dedica-se inteiramente à escrita e aos livros. Para a autora, a verdadeira magia da escrita está na possibilidade de tocar os leitores com as suas palavras.
Atualmente, vive na Carolina do Norte com o seu marido e os seus dois cães, Keeper e Jet.



Ilustração de C.F. Payne


BOM FIM DE SEMANA E BOAS LEITURAS



28/07/2017

DESCULPE, SENHOR INSPETOR HOUVE UM CRIME.


É sexta-feira, vem aí mais um Fim de Semana que, para muitos de nós, é também o começo das tão desejadas Férias, mas . . . não se está a esquecer de nada, Caro Leitor?

Ilustração de Denis Zilber


Para que o Leitor não tenha de se preocupar com a leitura, 
aceite a nossa sugestão de leitura de fim de semana que tem como 
pano de fundo o Portugal contemporâneo, um país traído por uma elite política corrupta, 
que sofre sob o peso dos seus próprios erros históricos.



A SENTINELA
Escrito por Richard Zimler
Editado pela Porto Editora


6 de julho de 2012. Henrique Monroe, inspetor-chefe da Polícia Judiciária, é chamado a um luxuoso palacete de Lisboa para investigar o homicídio de Pedro Coutinho, um abastado construtor civil. Depois de interrogar a filha da vítima, Monroe começa a acreditar que Coutinho foi assassinado ao tentar defender a perturbada adolescente do violento assédio sexual de algum amigo da família. Ao mesmo tempo, uma pen que o inspetor descobre escondida na biblioteca da casa contém alguns ficheiros com indícios de que a vítima poderá também ter sido silenciada por um dos políticos implicados na rede de corrupção que o industrial montara para conseguir os seus contratos.


"Todo o assassinato é um sinal de fracasso - fracasso em perdoar, em compreender, em conseguir justiça de outra maneira. Em encontrar uma porta de saída.
Por isso pergunto-me que fracasso se esconderá ensopado em sangue no tapete de Coutinho.
O mais provável é que um dos seus amigos ou conhecidos, com cuja mulher ou namorada Coutinho ..."


Para chegar ao desfecho deste crime, 
só tem que vir à Biblioteca Municipal e requisitar o livro.



Richard Zimler nasceu a 1 de janeiro de 1956 em Roslyn, um subúrbio de Nova Iorque. Fez um bacharelato em Religião Comparada na Duke University e um mestrado em jornalismo na Stanford University. Trabalhou como jornalista durante oito anos, principalmente na região de São Francisco.
Em 1990 foi viver para o Porto, onde lecionou jornalismo, primeiro na Escola Superior de Jornalismo e depois na Universidade do Porto. No últimos 19 anos, publicou 10 romances, uma coletânea de contos e dois livros para crianças, que rapidamente entraram nas listas de bestsellers de vários países (Portugal, Brasil, EUA, Inglaterra, Itália, ...).
O autor tem atualmente dupla nacionalidade, americana e portuguesa.
A 9 de julho deste ano recebeu a Medalha Municipal de Honra da Cidade do Porto e confere ao agraciado o título de "Cidadão do Porto".


Richard Zimler já ganhou diversos prémios:
  • Em 1994 o National Endowment of the Arts Fellowship in Fiction (EUA)
  • Em 1998 o Prémio Herodotus (EUA) para o melhor romance histórico
  • Em 2009 o Prémio literátio Alberto Benveniste 
  • Em 2009 o seu livro Os Anagramas de Varsóvia foi nomeado o Melhor Livro de 2009 pela revista LER e pelos alunos das escolas secundárias de Portugal - Prémio Marquês de Ouro
  • Ainda em 2009, o autor escreveu o guião para a curta-metragem O Espelho Lento, baseado num dos seus contos. O filme foi realizado nesse mesmo ano pela realizadora sueco-portuguesa Solveig Nordlund e venceu o Prémio de Melhor Filme Dramático no Festival de Curtas-Metragens de Nova Iorque em maio de 2010.



" Richard Zimler é um escritor emblemático e de indispensável leitura"
                                                                   Helena Vasconcelos



Ilustração de Iban Barrenetxea


Boas Leituras





26/05/2017

ACCEPTASNE ELECTIONEM?


"Este voltou-se para a assembleia e anunciou que sua eminência, cardeal Luca Rossini, fora eleito bispo de Roma e sucessor de Pedro, Príncipe dos Apóstolos, por uma maioria de dois votos". 
In, Eminência
                                                                                                                                  
                                         

Em 1998, um ano antes de morrer, Morris West dá-nos a conhecer Luca Rossini. Um argentino que foi eleito Papa.
Será que chega a ser entronizado?
Já em 1988, a ficção de Morris West assumiu o estatuto de profecia realizada com o seu romance As Sandálias do Pescador. Este romance girava em torno da eleição de um papa eslavo. Anos mais tarde o arcebispo polaco Karol Wojtyla foi eleito papa e adotou o nome de João Paulo II.


Mas voltemos ao cardeal Luca Rossini, a personagem principal do romance de
MORRIS WEST,
A EMINÊNCIA,
editado pelas Publicações Europa América,
 e que sugerimos para leitura do seu fim de semana.




É-nos narrada a história da próxima eleição papal e de algumas personagens que talvez nela venham a participar. Entre elas, a de maior importância é a Eminência, Luca, o cardeal Rossini, um homem que conheceu a tortura e a degradação pessoal enquanto, na juventude, exercia o sacerdócio na Argentina e que, depois de se exilar em Roma, foi nomeado pelo pontífice para ocupar um cargo importante. No entanto, esta obra vai além dos meandros políticos do Vaticano. Nela vamos encontrar paixão, ternura e intriga, suspense e drama e é provável que também venha a revelar-se profética.



Morris West nasceu a 26 de abril de 1916 em Melbourne, na Austrália. Aos 14 anos entrou para a Ordem dos Irmão Cristãos, onde tomou votos, aí tendo exercido as funções de monge docente durante oito anos. Em 1941, pouco antes de professar, abandonou a Ordem. Alistou-se então no exército australiano, trabalhando para os Serviços Secretos durante a segunda guerra mundial.
Em 1985, foi correspondente do Daily Mail na cidade do Vaticano. Essa experiência permitiu-lhe recolher muitos conhecimentos sobre os meandros eclesiásticos, que utilizou na concepção de vários dos seus romances.
Após ter vivido muitos anos na Grã-Bretanha e noutros países europeus, Morris West regressou à Austrália, a Sydney, onde foi nomeado presidente do Conselho da Biblioteca Nacional do seu país.
Apesar de ter sido um católico praticante até à sua morte a 9 de outubro de 1999, Morris West não deixou de criticar as posições da Igreja das quais discordava. Muitos dos seus romances, que estão à disposição do Leitor na Sala de Leitura, tratam de Papas, intrigas internas do Vaticano e como o poder do catolicismo se alastra pela política.



Fotografia de George Marks

Bom Fim de Semana com Boas Leituras

13/04/2017

SE PUDERES, AFASTA DE MIM ESSE CÁLICE


"O beijo de Judas Iscariotes, o beijo mais célebre da História, não foi de modo 
algum o beijo de um traidor: os emissários dos sacerdotes do Templo 
que vieram prender Jesus no final da Última Ceia não
 precisavam minimamente que Judas Iscariotes lhes apontasse o mestre." 
                                                                                                                       In Judas



Amos Oz, escritor israelita mais conhecido e lido do mundo, co-fundador do movimento pacifista Paz Agora,  nasceu em Jerusalém a 4 de maio de 1939. Em 1917 os seus pais fugiram de Odessa, na Ucrânia, para Vilnius, na Lituânia, e daí foram, em 1933, para o Mandato Britânico da Palestina. Em 1954 entrou para o Kibbutz Hulda.
Estudou Literatura e Filosofia na Universidade Hebraica de Jerusalém, entre 1960 e 1963, tendo publicado nessa altura os seus primeiros contos.
Amos Oz participou na Guerra dos Seis Dias e na Guerra do Yom-Kippur e fundou na década de 70, juntamente com outros elementos, o movimento pacifista israelita Schalom Achschsw- Paz Agora.
Atualmente dedica-se à militância a favor da paz entre palestinianos e israelitas e é professor de literatura na Universidade Ben-Gurion, no deserto do Neguev.
A sua vasta obra, que inclui romances e ensaios, está traduzida em mais de 30 línguas, alguns dos quais o Leitor pode encontrar na sua Biblioteca:
  • Uma Pantera na Cave
  • Não Chames à Noite Noite
  • O Mesmo Ar
  • Conhecer uma Mulher
  • Contra o Fanatismo
  • Uma história de Amor e Trevas

Os seus livros têm recebido as mais importantes distinções internacionais:
  • 1988 - Prémio Femina
  • 1992 - Prémio da Paz dos Livreiroa Alemães
  • 1998 - Prémio Israel de Literatura
  • 2005 - Prémio Goethe
  • 2007 - Prémio Príncipe das Asturias
  • 2013 - Prémio Franz Kafka


"Precisamos de líderes israelitas, palestinianos e árabes com coragem para tomar decisões
 vistas como "traição" pelo seu próprio povo. Se estes líderes vão aparecer, não sei. 
É difícil ser profeta na terra do profeta. 
Por aqui há muita competição no negócio das profecias". 
                                                                                                                     Amos Oz



O seu mais recente romance, e que hoje sugerimos para as suas mini-férias de Páscoa,
publicado o ano passado pela Dom Quixote, foi galardoado  com o
Prémio Internacional de Literatura  - Casa das Culturas do Mundo 2015 (Alemanha) 
e é um dos finalistas do Prémio Man Booker Internacional deste ano.


É um romance sobre traidores e amantes, pais e filhos, mulheres e homens. Numa prosa sensível e bem-humorada, evoca conflitos pessoais e políticos, teologia e heresia, lealdade e traição, explorando o lado sombrio da história judaico-cristã e o legado trágico da história judaico-árabe. Uma obra-prima perfeita e necessária, nas palavras de Alberto Manguel.


No inverno de 1959-1960, em Jerusalém, quando esta se encontra ainda dividida entre Israel e Jordânia - e uma cerca de arame farpado atravessa a terra de ninguém separando as duas metades inimigas -, a vida de Samuel Asch está prestes a sofrer uma reviravolta. Samuel é um rapaz tímido, sensível, socialista, de entusiasmo fácil e desilusão imediata, estudante da Universidade Hebraica. Ainda longe de terminar a sua tese de doutoramento, "Jesus visto pelos judeus", com particular fascínio pela personagem e o mistério de Judas, o seu mundo começa a desabar: a namorada abandona-o, os pais declaram falência e ele já não pode subsidiar os seus estudos.
Samuel encontra refúgio e emprego numa antiga casa de pedra situada num extremo de Jerusalém. Durante algumas horas diárias a sua função é servir de interlocutor a Gershom Wald, um septuagenário com uma vasta cultura. Mas aí mora também Atalia Abravanel, uma mulher enigmática e sensual.
Quem é realmente Atalia? O que a liga a Gershom? Quem é o dono da casa onde vivem? Que histórias escondem aquelas paredes? Ao mesmo tempo, Samuel retoma a pesquisa para a sua tese e a misteriosa e maldita figura de Judas Iscariotes - a suposta encarnação da traição e da maldade - vai absorvendo-o irremediavelmente e ganhando uma visão inovadora e impressionante. 


"A traição de Judas não ocorreu quando alegadamente beijou Jesus à chegada dos guardas. 
A sua traição, se é que existiu traição, aconteceu no momento da morte de Jesus na cruz. 
Foi nesse momento que Judas perdeu a fé.
 E ao perder a fé, perdeu igualmente o gosto de viver".
                                                                                                                    In Judas













07/04/2017

ESTE É UM LIVRO ALTAMENTE SUBVERSIVO...EM REGIMES TOTALITÁRIOS

"Luanda, junho de 2015: um grupo de ativistas angolanos estava reunido numa livraria a discutir um trabalho de Domingos da Cruz, baseado em Da Ditadura à Democracia. Por essa razão, foram presos em "flagrante delito", alega a justiça angolana."
                                                                                                In, Da Ditadura à Democracia


Luaty Beirão no julgamento por estar a ler O Livro

- Este é um livro altamente subversivo.
(António Luvualu de Carvalho - embaixador itinerante de Angola)
- Concordo consigo. É um livro altamente subversivo, mas em regimes totalitários.
 Não é subversivo em democracias. 
Este livro não leva ao derrube de democracias.
(José Eduardo Agualusa, escritor)


Mas que Livro é este que as 
"ditaduras temem como se de uma bomba atómica se tratasse"?

É um guia prático para a luta nãoviolenta.
Originalmente publicado em 1994, Da Ditadura à Democracia
tem inspirado dissidentes políticos de todo o mundo.
Foi traduzido em mais de 30 línguas e desempenhou
um papel central na Primavera Árabe, tornando-se a principal referência 
para os revolucionários nãoviolentos do século XXI

Caro Leitor, sem medo de ser preso, 
sugerimos a leitura deste livro para o seu fim de semana



Escrito por Gene Sharp
Da Ditadura à Democracia
Editado pela Tinta da China 
(cuja receita da venda do livro reverte para os presos políticos e respetivas famílias)



Gene Sharp nasceu a 21 de janeiro de 1928. É o fundador da Albert Einstein Institution, uma ONG que se dedica a promover o estudo da ação nãoviolenta, e foi professor de Ciências Políticas na Universidade Massachusetts Dartmouth, nos Estados Unidos. Foi indicado quatro vezes para o Prémio Nobel da Paz.
É conhecido pelos seus textos sobre luta nãoviolenta e tem influenciado movimentos de resistência pacífica em todo o mundo.
Também conhecido como o "pai das revoluções pacíficas", publicou este livro em 1994, com o objetivo de ajudar a derrubar a ditadura na Birmânia, na sequência da detenção da líder da oposição Aung San Suu Kyi pelos militares. Desde então, as suas palavras já fizeram cair autocratas da Sérvia ao Egito.
Gene Sharp ficou surpreendido quando soube que um dos argumentos para a detenção dos ativistas angolanos foi estarem na posse do seu livro: "O meu livro não tem mesmo nada a ver com golpes de estado. É um livro sobre formas pacíficas de mudança. Só é subversivo para quem defende ditaduras."



Bom Fim de Semana




24/03/2017

A VERDADE SÓ A DEVO A TI

"A verdade só a devo a ti, minha filha, ainda que porventura ela não possa proporcionar esclarecimentos. A natureza dos acontecimentos excede as simples contingências - a realidade dos nomes, dos rostos, das ações de luta e das prisões. (...) Em todo o caso, é verdade que também nevou fortemente no dia em que te deixei na União Soviética. Deveria ser temporário: ficarias no colégio seis meses; na pior das hipóteses, um ano."
                                                                                                     In, Cartas Vermelhas


Para o seu fim de semana sugerimos a leitura 
de um romance inspirado em factos reais. 

Inspirado na vida de Carolina Loff da Fonseca, uma militante do Partido Comunista que trabalhou nas mais altas esferas do Comintern, que viajou por toda a Europa, que viveu na clandestinidade, que foi presa, espia, mãe e que se apaixonou por um dos agentes da polícia política que a interrogou. 

Este romance foi selecionado como Livro do Ano pelo jornal Expresso (2012)
 e finalista do Prémio Literário Fernando Namora
É ainda recomendado pelo Plano Nacional de Leitura 
como sugestão de leitura na formação de adultos.


Editado pela Oficina do Livro
Escrito pela Ana Cristina Silva
Cartas Vermelhas


Nascida em Cabo Verde de uma família branca e abastada, Carol nunca se resignou à miséria das ilhas. E, movida pelo sonho de construir uma sociedade mais justa, ingressou ainda jovem no Partido Comunista. Não se importando de usar a beleza como arma ideológica, abraçou a luta revolucionária, apaixonou-se por um camarada e ficou grávida pouco antes de ser presa. Foi a sua mãe quem tratou de Helena nos primeiros tempos, mas, depois de libertada, Carol levou-a para Moscovo, onde trabalhou nas mais altas esferas do Comintern. Aí, o contacto com as purgas estalinistas não chegou para abalar as suas convicções, mas o clima de denúncia e traição catapultou-a para o cenário da Guerra Civil espanhola, obrigando-a a deixar Helena para trás; e, apesar de ter escapado aos fuzilamentos franquistas, a eclosão da Segunda Guerra Mundial impediu Carol de voltar à União Soviética para ir buscar a filha.
Será apenas vinte anos mais tarde que mãe e filha se reencontrarão em Berlim; a frieza e o ressentimento de Helena farão com que , na viagem de regresso a Lisboa, Carol decida escrever um romance autobiográfico com o qual filha possa, se não perdoar-lhe, pelo menos compreender as circunstâncias do abandono - a clandestinidade, a prisão, a guerra, a espionagem e o inconcebível casamento com um inspetor da polícia política.



Ana Cristina Silva nasceu a 14 de novembro de 1964 em Vila Franca de Xira, é docente universitária no ISPA-IU. Doutorada em Psicologia da Educação, especializou-se na área da aprendizagem da leitura e da escrita, desenvolvendo investigação neste domínio com obra científica publicada em Portugal e no estrangeiro.
Além do romance que hoje sugerimos, o Leitor encontra para leitura domiciliária os seguintes títulos:
  • As Fogueiras da Inquisição
  • A Segunda Morte de Anna Karénina
  • A Noite Não É Eterna.



BOM FIM DE SEMANA



24/02/2017

IR PARA A FOLIA OU FICAR NO SOFÁ?


Carnaval de Carybé (1911-1997)

É já este fim de semana que se vai "Brincar ao Carnaval".
Para quem gostar da Folia, não vale a pena falar em leitura de fim de semana.

Mas... há sempre um ou outro Leitor
ansioso pelo fim de semana para ficar no sofá, com uma bebida quente e ... UM LIVRO;
ou, então, sentar-se no sofá e ver uma "maratona" de Séries.

A Rainha do Sul diz-lhe alguma coisa?
Teresa Mendoza, sabe quem é?
Epifanio Vargas sabe o que faz?
Joaquim de Almeida consegue apanhar a agenda de Güero?

Joaquim de Almeida, no papel de Epifanio Vargas

Na série A Rainha do Sul, que é transmitida todas as quintas-feiras no canal Fox Life, pelas 23h05, Teresa Mendoza, interpretada pela atriz Alice Braga, sobrinha da nossa conhecida Sonia Braga, contracena com Joaquim de Almeida, no papel de Epifanio Vargas.
Foi baseada no romance do escritor espanhol Arturo Pérez-Reverte, editado pelas Edições ASA, e que o Leitor pode requisitar para leitura do seu fim de semana.



Teresa Mendoza é uma mulher solitária que constrói um império a partir do nada num mundo implacável inteiramente dominado por homens, o mundo do narcotráfico.
Uma história de corrupção, amor e morte que nos revela o que de melhor e de pior existe no ser humano.
Teresa vê-se forçada a fugir do México quando o namorado, que trabalhava para um cartel de droga, é assassinado. Este vai ser o momento de viragem na sua vida. Pobre e analfabeta, estava longe de imaginar que acabaria por se converter numa lenda do narcotráfico espanhol.
No final, aquela que regressa à sua terra natal para ajustar contas com o passado será uma Teresa muito diferente da que fugiu doze anos antes.
Um romance onde não há bons nem maus, mas que é o reflexo de um universo cruel onde matar, morrer, enganar, corromper, trair, subornar e traficar faz parte do quotidiano. Um mundo em que a moralidade é em absoluto impraticável e onde a chave do sucesso reside, ironicamente, na falta de esperança.

"Não escrevo para que o mundo seja melhor.
Eu escrevo romances em legítima defesa."


Arturo Pérez-Reverte, nasceu em Cartagena a 24 de novembro de 1951. Antigo repórter de guerra, dedica-se exclusivamente à escrita desde 1980. O seu grande êxito, A Tábua de Flandres, foi publicado em 1990, foi um sucesso de vendas, mereceu o Grande Prémio francês para a categoria de romance policial, faz parte do Plano Nacional de Leitura como sugestão de leitura para o ensino secundário e,  pode ser requisitado pelo Leitor.
Em 2003 foi eleito membro da Real Academia Espanhola.
Da sua vasta bibliografia, para além dos romances acima mencionados, o Leitor encontra na Biblioteca Municipal, ainda, os seguintes títulos: Território Comache, Um Dia de Cólera, A Pele do Tambor, galardoado com o Prémio Jean Monnet para a Literatura Euripeia.
Como repórter de guerra, durante mais de vinte anos, esteve no Líbano, Nicarágua, Moçambique, Eritreia, Jugoslávia, entre  outros países em conflito.

"A História permite-nos compreender melhor o presente. O novo não é mais do que o passado que já esquecemos. Tudo já aconteceu. Quem não leu a Guerra de Tróia, não compreende Sarajevo, quem não leu Xenofonte não compreende a guerra dos mercenários em Angola, em 1978."

Tem uma visão pessimista do mundo, odeia o humanismo cristão, " O problema da Europa neste momento é que não tem líderes. O melhor que conseguimos é Merkel. Rajoy é um medíocre. Portugal está como está. (..) Dentro de 20 anos chegarão os fascismos. Haverá movimentos neonazis vitoriosos por toda a Europa. (...) Mas eu já não vou cá estar, já não me importa."



Ficou indeciso entre ir para a rambóia
ou ficar quentinho no sofá com a nossa sugestão de leitura.

Qualquer que seja a sua escolha
Tenha um bom fim de semana.




03/02/2017

FELIZ ANIVERSÁRIO PAUL AUSTER

Paul Auster por André Carrilho

"A literatura é essencialmente solidão. Escreve-se em solidão, lê-se em solidão e,
 apesar de tudo, o ato de leitura permite uma comunicação entre dois seres humanos."
                                                                                                                 Paul Auster

Nome cimeiro da literatura norte-americana dos nossos dias, Paul Auster nasceu a 3 de fevereiro de 1947 em Newark, Nova Jersey. Em 1970 licenciou-se na Universidade de Columbia e residiu durante quatro anos em França, antes de se radicar em Nova Iorque. A sua proximidade à literatura francesa haveria de marcá-lo para sempre. É admirador de André Breton, Paul Éluard, Stéphane Mallarmé, Sartre e Blanchot, alguns dos quais traduziu para a língua inglesa. Além destes consagrados autores franceses, Paul Auster refere ainda Dostoiévski, Hemingway, F. Scott Fitzgerald, Faulkner, Kafka, Holderlin, Beckett e Proust, como autores que influenciam a sua obra.
Apaixonado também pelo cinema, em 1998 realizou o seu primeiro filme, Lulu on the Bridge.
Paul Auster já foi traduzido em mais de 40 línguas e vendeu milhões de livros (ficção, poesia, ensaio) e nosso país foram mais de 220 mil exemplares vendidos.
Venceu em 2003 o Prémio Médicis e em 2006 o Prémio Princesa das Astúrias.
Hoje é editado entre nós o seu mais recente romance "4 3 2 1" e, enquanto não chega às prateleiras da Biblioteca Municipal, tem o Leitor, para leitura do seu fim de semana, a bibliografia de Paul Auster à sua disposição na nossa mostra bibliográfica no átrio de entrada.


"Escrever já não é para mim um ato de livre vontade, é uma questão de sobrevivência."


É membro da Academia norte-americana de Artes e Letras, da de Artes e Ciências e presidente do PEN América, cargo que aceitou para liderar a oposição dos escritores americanos ao novo presidente norte-americano, Donald Trump. "Vou falar tanto quanto puder, caso contrário não consigo viver comigo mesmo".
Em setembro deste ano, Paul Auster irá estar em Portugal para participar no próximo Festival Internacional de Cultura de Cascais.

John Singer Sargent

Bom Fim de Semana com Boas Leituras




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...