Mostrar mensagens com a etiqueta DIVULGANDO. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta DIVULGANDO. Mostrar todas as mensagens

15/11/2017

TINHA SETE ANOS E JÁ VIVIA COMO RAPAZ




"Eles mandam raparigas como eu para o manicómio - ou, simplesmente, apedrejam-nas até à morte. As mais afortunadas poderão vir a casar com um elemento de uma tribo rival, para contaminarem o sangue da tribo."



Maria Toorpakai Wazir, nasceu a 22 de novembro de 1990, numa Área Tribal do Paquistão, numa zona repressiva e violenta, onde a simples ideia de mulheres serem atletas profissionais é considerada haram (proibido).
Desde sempre amante do desporto, treinou e competiu disfarçada de rapaz em diversas ocasiões.
No entanto, Maria, fruto de uma união singular, foi desde tenra idade incentivada a viver como rapaz - a sua família, e em particular o pai, sabiam que só assim ela conseguiria evoluir enquanto ser humano. É a melhor atleta feminina do Paquistão em squash.
A sua irmã, Ayesha Gulalai, é um dos membros femininos mais proeminentes da Assembleia Nacional paquistanesa.


 "Eu cresci com a prática aceite de que as mulheres pastós se mantinham em casa, aventurando-se apenas a pôr um pé na rua quando devidamente envelopadas dos pés à cabeça com vestimentas chamadas abayas ou burcas, ou longos xailes chamados xadores. E sempre acompanhadas por um homem - ou um simples rapazinho -, constantemente a seu lado.


É a história desta mulher de 26 anos, cujo desporto foi a tábua de salvação de uma existência submetida ao purdahque hoje divulgamos.


Uma filha diferente retrata a jornada angustiante de Maria, desde que lhe foi permitido viver como rapaz até à descoberta do desporto, como forma de emancipação - primeiro, o halterofilismo, ainda sob "disfarce", e mais tarde o squash, a sua verdadeira paixão. No entanto, a visibilidade nacional, fruto de um rio de sangue, suor e lágrimas, significou também uma sentença de morte: as luzes da ribalta colocaram-na, e à família, na mira dos talibãs paquistaneses. A única hipótese de sobrevivência de Maria é fugir do país. Graças ao desporto, que tanto ama, alcança finalmente o seu sonho: ser uma campeã e uma voz ativa em defesa dos mais elementares direito das mulheres. 
"E, sobretudo, quero agradecer ao povo amante da paz do Canadá, por me terem recebido na sua bela nação - tornando-a para mim um lar seguro longe do meu próprio lar".
                                                                                                                     Maria Toorpakai












30/10/2017

MULTIPLICIDADES



É isso mesmo. A Biblioteca Municipal é um local de encontro de múltiplas ideias, etnias, gostos, culturas, comportamentos e, no caso concreto que queremos abordar hoje, de múltiplas idades. 
Foi o que aconteceu na passada semana. No mesmo dia, mas em horas diferentes. Da parte da manhã, foi local de encontro com 40 crianças e acompanhantes, de duas turmas do 1º ano do ensino básico. 






À tarde fomos, também, local de encontro. Mas desta vez, o encontro foi mais calmo, num ritmo mais lento e cauteloso, com 25 utentes e acompanhantes do Centro Social e Paroquial de Vieira de Leiria. O gosto pelos livros, pela leitura e por ouvir ler não tem idade.








As idades podem ser diferentes, mas as reacções são iguais:

entusiasmo, satisfação, gosto pelos livros e pela leitura e, sobretudo, 
um grande desejo de viver e voltar.








11/10/2017

ESTA ESCADA, DE ONDE VEM E PARA ONDE VAI?


Escada Camondo, Istambul



Em Istambul, confluência de mundos, esta estranha escada desperta a atenção de Tiago Salazar,  que decide ir atrás da sua história.
- Esta escada, de onde vem e para onde vai?




Tiago Salazar nasceu em Lisboa, em 1972. Formou-se em Relações Internacionais e estudou Guionismo e Dramaturgia em Londres. É doutorando em Turismo no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, estando a preparar uma tese sobre A Volta ao Mundo, de Ferreira de Castro.
Trabalha como jornalista desde 1991, atualmente como freelancer. 
Em 1995 Venceu o prémio Jovem Repórter do Centro Nacional de Cultura.
É formador de Escrita e Literatura de Viagens. Idealizou, escreveu e apresentou o programa da RTP2 Endereço Desconhecido.
Em 2010 Foi Bolseiro da Fundação Luso-Americana em Washington, ao abrigo da Bolsa José Rodrigues Migueis. É autor de vários livros de viagens: Viagens Sentimentais, editado em 2007, faz parte do fundo documental da Biblioteca Municipal.
A Escada de Istambul é a sua estreia no romance e começou com uma conversa entre dois estranhos numa escadaria bifurcada na cidade de Istambul.


"Podia ter sido uma reportagem, porque é uma história real; 
tornou-se um romance histórico porque a história é encantadora, ainda que trágica. 
E é muito mais do que uma biografia ou biografias de pessoas avulsas
 - é a história da humanidade, de uma família que representa um todo."
                                                                                             Tiago Salazar


Tiago Salazar escreveu
Oficina do Livro editou
A ESCADA DE ISTAMBUL



Conhecidos como os "Rothschild do Oriente", os judeus Camondo erraram pela Europa até se instalarem em Istambul, onde viriam a tornar-se banqueiros do sultão e grandes filantropos.
Abraham-Solomon, o patriarca, era o judeu mais rico do Império Otomano e combateu a maldição do judaísmo na Turquia fundando escolas que respeitavam todos os credos e legando ao seu filho e aos netos a importância da caridade e do mecenato. Já em Paris, o seu bisneto Isaac, amigo dos pintores impressionistas, doaria ao Museu do Louvre mais de cinquenta quadros de Monet, Manet e Degas; e o seu primo Moïse, devastado pela morte do filho na Primeira Guerra Mundial, abriria um museu que ainda hoje pode ser admirado e visitado na capital francesa.
E, porém, apesar do seu poder e da sua influência, poucos conhecem a história desta família magnânima. O mistério explica-se: sobre a dinastia Camondo abateu-se uma fatalidade - a sua fortuna e o seu sangue eclipsaram-se nos campos de extermínio de Auschwitz.


"Os primeiros Camondo vieram de Veneza, e antes de Toledo, e antes ainda talvez de Lisboa ou das terras dos tangerinos. Onde punham a mão faziam fortuna, isso é certo. Era como um dom. Haim Camondo, a mulher e os filhos vieram para Istambul depois do doge se ter sentido ameaçado pelo seu poder e os escorraçar. Acabaram por ser expulsos também daqui, pois o Grande Senhor não queria nada com a graça dos judeus.(...)
Se perguntar hoje por aí quem foram os Camondo e lhes disser que foram os homens mais ricos que Istambul já conheceu, acharão que é louco."
In,  A Escada de Istambul



Fotografia de Henri Cartier-Bresson









20/09/2017

NASCI NA PÓVOA DE VARZIM, A 2 DE OUTUBRO DE 1958...



"Tive a oportunidade de passar por diferentes realidades sociais e políticas, o que me permitiu alargar a minha visão do mundo, evoluir como pessoa.
Foi esta evolução da minha atitude perante o mundo que tentei reflectir nestas páginas. Não se trata de verdades absolutas, mas apenas de impressões e opiniões pessoais, nem o livro é uma autobiografia completa, pois não era esse o meu objectivo. (...)
Não, todas as personagens e acontecimentos são reais, havendo aqui todas as semelhanças com a realidade.
Claro que se trata de fragmentos da minha memória, mas não foram escolhidos com outro fim especial além daquele de mostrar a evolução de um jovem que nasce numa família de pescadores, frequenta um seminário católico, parte para a União Soviética e acaba por lá ficar quase 40 anos. (...)
Depois da invasão da Crimeia pelas tropas russas, as relações entre as pessoas tornaram-se mais tensas, sendo cada vez mais difícil conversar com aqueles de quem fui amigo durante muitos anos. O mundialmente famoso escritor russo Lev Tolstoi escreveu que "O patriotismo é o último refúgio dos canalhas", pensamento particularmente válido hoje, quando esse sentimento é empregue para atiçar o ódio de uns contra outros, contra todos os que não se deixam formatar pela propaganda.
Por essas razões, e também porque 38 anos já era muito tempo, decidi regressar ao meu país, onde tento integrar-me novamente, tentando aprender a andar de novo no solo pátrio. Quando se vive tanto tempo longe de Portugal, compreende-se de forma muito profunda que temos o melhor país do mundo, mas também se entende quão mal gerido ele é. É pena".

1991, Moscovo, Mário Soares, Carlos Fino, José Milhazes, Maria Barroso


" Este livro de leitura irresistível permite-nos espreitar
 outro mundo, noutro tempo."
                                                                                                   Cristina Peres, Expresso



Para ficar a conhecer um pouco da História do século XX, do nosso século 
e os seus protagonistas, o Leitor só tem de nos visitar e
requisitar o mais recente livro do jornalista José Milhazes







06/09/2017

SE ALGO PODE CORRER MAL, CORRERÁ MAL

No século XXI muitas coisas podem vir a correr mal.
Mais uma vez se aplica, a já sobejamente conhecida e confirmada ad nauseam, lei de Murphy: "Se algo pode correr mal, correrá mal". Não adianta nada ficar ansioso, porque podemos ter a certeza de que "se sabemos que algo pode correr mal e tomamos as devidas precauções, correrá mal outra coisa qualquer" e, para cúmulo, esta é uma lei que se concretiza sempre na pior das alturas.
Mas não desanimemos, porque "a experiência permite-nos reconhecer um erro sempre que o voltamos a fazer" e tem também a vantagem de "nos levar a cometer erros novos em vez dos antigos".
Além disso "existe sempre uma solução fácil para qualquer problema humano - clara, plausível e ... errada". Mas podemos sempre optar por não fazer nada, pois "quanto menos se faz, menos coisas podem correr mal".
Resta-nos aguardar, sem pressas, por todos os males que aí vêm, pois "ser pontual significa apenas que o nosso erro será cometido a tempo".

  • A política é arte de obter votos dos pobres e fundos de campanha dos ricos prometendo a ambos protegê-los uns dos outros.
  • Se dois homens concordam em tudo, é porque só um deles está a pensar.
  • A probabilidade de um computador bloquear é diretamente proporcional à importância do documento em que se está a trabalhar.
  • Estamos a fazer progressos. As coisas estão a piorar mais devagar.




Aqui estão as leis de Murphy, ao seu dispor na Biblioteca Municipal, que o irão acompanhar no seu dia a dia no século XXI  e que o vão ajudar a perceber que não está sozinho em maré de azar.
Informática, engenharia, comunicação, desporto, etc, etc...nada escapa.
E lembre-se que o "sujeito a quem acabou de tirar o lugar no parque de estacionamento será de certo aquele que o irá entrevistar para o seu novo emprego".



Arthur Bloch, autor norte americano, é um dos autores mais lidos do mundo, conseguindo, através de uma escrita inventiva e inteligente, transmitir sentido de humor partindo de situações que nada têm de engraçado. Arthur Bloch reúne princípios de Murphy e adapta-os a situações da vida real, introduzindo-lhes sempre muito humor e boa disposição, conduzindo os leitores à gargalhada. Talvez por isso, os seus livros sejam bestsellers mundiais. 





E já agora, 
sabe o leitor quem foi Murphy?




Edward A. Murphy (11/01/1918 - 17/07/1990) foi um engenheiro aeroespacial da NASA, que criou, em 1960, um princípio que atribui significados matemáticos às circunstâncias catastróficas, destacando que se houver a probabilidade de ocorrer uma catástrofe, ela vai certamente acontecer. Formulou a sua "lei" na sequência de testes feitos para medir os efeitos da aceleração e desaceleração em pilotos e baseia-se na nossa memória seletiva perante factos ocorridos, que explica a tendência que temos para a negatividade, dando especial ênfase aos pontos negativos em detrimento dos positivos ou neutros.


Os seres humanos são os únicos animais capazes de voltar atrás 
e cometer os erros que antes tinham evitado.



Não cometa o erro de não ler este livro




23/08/2017

CONSEGUE ADIVINHAR?



"Entre as melhores pessoas da minha vida, estão alguns livros"
                                                               Valter Hugo Mãe





Caro Leitor, junte a família e ao som dos AC/DC  tente adivinhar o nome dos filmes
 que se passam nestas fantásticas Bibliotecas!







"Para você, eu era um capítulo.
Para mim, você era o livro"
                                                                                    Charles Bukowski



Boa Semana com Boas Leituras e Bons Filmes

09/08/2017

PRECISO QUE VÁ AO ESTRANGEIRO NUMA MISSÃO



"- E para onde é que eu vou exatamente? (...)
 - Birmânia? - sussurrou. (...)
 - Sim. Mas hoje em dia chama-se Myanmar, sabe disso? (...)
A visita à Birmânia era uma viagem demasiado cara para as suas posses, mas, mais do que isso, durante muito tempo o país tinha sido uma zona interdita por motivos políticos. Eva lera sobre a agitação entre as tribos das montanhas, o governo repressivo, e a prisão domiciliária de Aung San Suu Kyi, a mulher que todos adoravam e que sacrificara a sua vida pessoal para lutar pela democracia para o seu povo."





Caro Leitor, caso não possa ir em missão ao estrangeiro,
propomos-lhe uma leitura irresistível com excelentes descrições
que servem uma história intrigante que emociona do princípio ao fim.
Com paisagens, aromas inebriantes dos mercados,
das ruas e das fragrâncias dos jardins,
somos transportados para os cenários mágicos da Terra Dourada



Rosanna Ley escreveu
Porto Editora editou
Regresso a Mandalay




Eva Gatsby interrogou-se inúmeras vezes sobre o passado do avô, Lawrence Fox, e o que teria exatamente acontecido na Birmânia, quando ele ainda jovem ali viveu. Eva dedica-se à restauração de antiguidades e os patrões propõem-lhe uma viagem de trabalho àquele país - sobre o qual a avô desde sempre lhe contara histórias fascinantes. É então que Lawrence decide quebrar o silêncio e finalmente falar-lhe do grande amor da sua vida, Maya, a mulher que nunca esqueceu. Numa tentativa de sarar as feridas do passado, confia a Eva uma missão que se revelará de contornos imprevisíveis.
Eva inicia, assim, uma jornada que irá reconstruir o mosaico da história da família e que em simultâneo a obrigará a confrontar-se com a sua capacidade de voltar a acreditar no amor.



"- Há uma coisa que deveria ter sido feita há muito , muito tempo - murmurou ele. - Eu já não posso, claro, é demasiado tarde para mim. Talvez tenha cometido um erro terrível. Não sei bem se é esse o caso. Mas se tu..."
                                                                                                                 





Rosanna Ley é professora de escrita criativa e é autora de inúmeros artigos e histórias publicados em diversas revistas no Reino Unido. Os seus romances estão editados em 15 países. 
A autora passa férias em locais que lhe servem de inspiração e quando não está a viajar, vive no West Dorset, junto ao mar.






Boa Semana e Boas Leituras




04/08/2017

PASSE E ESCOLHA . . . [A]GOSTO

Faça as suas escolhas (a)gosto e leia, . . . da forma que mais gostar.


Assim, . . . no sofá:



Ou assim, . . . na praia:



Ou assim, . . . com companhia:


Ou assim, . . . de uma forma mais fresca:






Na Biblioteca Municipal pode fazer as suas escolhas.













Escolha (a)gosto . . . a melhor forma e o melhor livro.












28/06/2017

COMO É POSSÍVEL QUE ACONTEÇA UMA BARBARIDADE DESTAS EM PLENO SÉCULO XX?!!!!!!




Jan e Antonina Zabinski eram um casal de tratadores do jardim zoológico de Varsóvia horrorizados perante o racismo nazi, que se aproveitaram da obsessão nazi por animais raros para salvar mais de trezentas vidas condenadas a desaparecer. 
Foi nesta história que a realizadora neozelandesa Niki Caro realizou o filme o homónimo O Jardim da Esperança que estreou entre nós no passado dia 20 de abril. 
Nos papeis principais encontramos a atriz norte-americana, nomeada para dois Oscares, Jessica Chastain, o ator belga Johan Heldenbergh, o alemão Daniel Brühl, o irlandês Michael McElhatton, o israelita Iddo Goldberg e o sérvio-bósnio Goran Kostic.

Jardim Zoológico de Varsóvia antes da Segunda Guerra Mundial

Quando, no inicio da Segunda Guerra Mundial, Varsóvia caiu sob o domínio nazi, orgulhava-se de ter um dos mais famosos jardins zoológicos da Europa, em Éden, exuberante, que albergava uma profusa coleção de animais exóticos. 


Jan e Antonina Zabinski, um casal de polacos cristãos que partilhavam a mesma paixão pelos animais e pelo mundo natural, são tratadores do zoo e vivem dentro do próprio parque, em estreita relação com a natureza. 
Mas o terror nazi não irá poupar a paz deste cenário quase perfeito, e no meio de toda a destruição que o atinge só a coragem e a grandeza humana dos Zabinski permitirá, através de engenhosos subterfúgios, utilizar o próprio zoo para salvar as vidas não só de animais mas também de centenas de judeus polacos que Jan traz às escondidas do gueto de Varsóvia para o parque.




Escrito pela Diane Ackerman
Editado pela Editorial Presença
O Jardim da Esperança




É o testemunho poderoso dessa coragem, uma história verídica e mágica, baseada em inúmeras fontes da época, que ilumina a relação profunda existente entre humanidade e natureza, e celebra, com rara sensibilidade, a beleza, 
o mistério e a tenacidade do espírito humano e da própria vida.



"Na Primavera de 1942, o jardim zoológico tornou a ser invadido por uma autêntica correnteza de Hóspedes, que se escondiam dentro das jaulas, dos abrigos, dos armários, onde tentavam criar rotinas diárias vivendo, em simultâneo, num estado de pânico contido."

                                                                                                     In, O Jardim da Esperança



Diane Ackerman nasceu a 7 de outubro de 1948 nos estado do Ilinois, nos Estados Unidos da América. É autora de diversas obras, quer de poesia, ficção e científicas. A sua atividade tem merecido inúmeros prémios e distinções literárias e científicas, entre as quais se destacam a Guggenheim Fellowship e os prémios John Burroughs Nature e Lavan Poetry.
Os seus ensaios sobre a natureza e a natureza humana têm sido publicados no The New York Times, o The New Yorker ou na Natrional Geographic.
"A fim de contar esta história, baseei-me em inúmeras fontes indicadas na bibliografia, bem como, acima de tudo, nas memórias da mulher do tratador do jardim zoológico, Antonina Zabinski, repletas do feitiço sensorial do jardim; nos seus livros autobiográficos para crianças; nas recordações e nos livros de Jan Zabinski.(...) Apoiei-me igualmente em fotografias de família (foi através delas que fiquei a saber que Jan usava o relógio no pulso esquerdo hirsuto e Antonina tinha uma predileção especial por vestidos às bolinhas."


Bons Filmes e Boas Leituras
Para as suas Férias.


Pintura de Karin Jurick




21/06/2017

Apresentação de Livro

Dia 24 de junho | 16:00 | Aqui no nosso Auditório

 Apresentação do livro  
ORLA DA MATA
  1 . Vida Rural e Povoamento  
da autoria de Luís Neto, edição da Textiverso


É uma obra de características monográficas que trata da vida rural e do povoamento por Casais e Lugares na zona territorial da atual Freguesia da Marinha Grande, tocando, por vezes, algumas zonas limítrofes. Ali se podem encontrar questões singulares e surpreendentes, como os géneros cultivados através dos tempos, a importância das ribeiras e outras linhas de água, as profissões e ocupações ligadas à terra, os proprietários, as tributações e rendas, a indústria artesanal ligada à vida do campo, enfim, todas as incidências da vida rural, desde muito cedo e até 1917, passando pela formação da Freguesia, do 1.º Concelho e da pequena administração local. O autor laborou essencialmente em fundos documentais pouco ou nada divulgados, até agora.


Luís Manuel de Oliveira Neto, nasceu na Marinha Grande, em 1953, descendendo de famílias essencialmente vidreiras. Estudou na Marinha, Leiria e Lisboa (Instituto S. Contabilidade e Administração), trabalhou na indústria vidreira alguns anos e ingressou no quadro de Oficiais de Justiça, donde se aposentou. Desde jovem, militou em organização política e colaborou na imprensa periódica local, da Marinha e das localidades onde trabalhou, morando há mais de 20 anos perto de Vila Real. Publicou três livros de poesia e três de prosa (especialmente historiografia), tendo inéditas variadas obras e ensaios de cariz literário, como novelas históricas, biografias, bibliografia e guia de fontes.  








07/06/2017

HÁ QUALQUER COISA DE EXTRAORDINÁRIO NA MENTALIDADE DOS PORTUGUESES

É já no próximo sábado, dia 10 de junho, que se comemora mais um Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. A Biblioteca Municipal não quer deixar de assinalar a data e para isso tem uma mostra bibliográfica, no átrio de entrada, alusiva ao tema.
É dessa mostra o livro que divulgamos hoje. Lê-se como se fosse um romance, através de uma narrativa, que permite ao leitor entrar no realismo da época dos descobrimentos e conhecer de forma apaixonada homens que marcaram esse época. 
Roger Crowley acredita em duas evidências: que a história universal endeusou Cristóvão Colombo e que Vasco da Gama " era uma figura genial. O maior".


"Se há um livro bom sobre os Descobrimentos é este"
                                                                                   Pacheco Pereira



Roger Crowley nasceu em 1951. É um proeminente historiador especializado nos grandes impérios marítimos europeus. As suas obras, pelo rigor e simplicidade, foram bestsellers do New York Times. 
Foi leitor de inglês na Universidade de Cambridge e ensinou inglês em Istambul. 
É autor de diversas obras de história, algumas delas premiadas.
Viajou muito pela bacia de Mediterrâneo, tendo um profundo interesse por essa região e pela sua cultura. "Devo ter passado seis meses a pesquisar a exploração dos portugueses em África no século XV - mapeei todos os cabos e baías que eles descobriram - antes de perceber que o meu livro seria demasiado longo e decidir que tinha de me focar num período de tempo mais curto."



"Este livro mostra bem como Portugal conseguiu dominar o mundo,  economicamente e através do cristianismo. 
O principal conquistador foi 
Afonso de Albuquerque, o Terrível"
                                                                                         José Manuel Garcia



Escrito por Roger Crowley
Editado pela Editorial Presença


Este livro conta-nos como Portugal construiu um grande império marítimo europeu, dando origem à primeira economia global. Numa narrativa empolgante e solidamente documentada, que equilibra a vertente humana e as dimensões geopolítica e religiosa, o aclamado autor aborda a supremacia marítima  de Portugal, com a descoberta do caminho marítimo para a Índia no seu âmago, as vitórias sobre governantes muçulmanos e o domínio do comércio das especiarias, revelando-nos o alcance do império português e dando vida a figuras como D. Manuel I, D. João II, Afonso de Albuquerque e Vasco da Gama. O relato essencial e atualizado de como uma das nações mais pequenas e pobres da Europa pôs em movimento as forças da globalização que hoje dão forma ao mundo.
Uma obra que dará a conhecer ao leitor português a sua própria história na perspetiva de um investigador estrangeiro.




"Durante a exploração, os portugueses iniciaram infindáveis interações mundiais, tanto benignas como malignas. Trouxeram armas de fogo e pão para o Japão e astrolábios e feijão-verde para a China, escravos africanos para as Américas, chá para Inglaterra, pimenta para o Mundo Novo, seda chinesa e medicamentos indianos para todo o continente europeu e um elefante para o Papa. pela primeira vez, os povos de lados opostos do planeta puderam ver-se, tornando-se alvo de descrições e espanto. (...)
Hoje, em Belém, perto do túmulo de Vasco da Gama, (...) há uma pastelaria e café (...). As multidões acorrem aí para provar a sua especialidade, os pasteis de Belém , tartes de nata cozidas até estarem douradas. Comem-se salpicadas de canela, acompanhadas por café escuro como pez. Canela, açúcar, café: os sabores do mundo que ali chegaram em veleiros".
                                                                                                                In, Conquistadores




BOAS LEITURAS 
[de preferência acompanhadas com um café e um pastel de nata]



LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...