Mostrar mensagens com a etiqueta DIVULGANDO. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta DIVULGANDO. Mostrar todas as mensagens

fevereiro 21, 2018

A EDUCAÇÃO DE ELEANOR


Em 2017 venceu o Costa First Novel para melhor romance de estreia.

Foi um dos livros mais destacados na feira do livro de Frankfurt de 2015,
 tendo direitos de tradução cedidos para 26 países.

Para o Daily Express é "Um prazer absoluto! De rir às gargalhadas. E muito comovente".

Segundo o The Observer é um livro "Que tem tanto de perspicaz e de sério quanto de 
divertido e de cativante".



Gail Honeyman vive e trabalha em Glasgow e o romance que hoje divulgamos, A Educação de Eleanor, foi o seu primeiro livro.
Entre nós foi editado em maio de 2017 pela Porto Editora.




"Sou uma sobrevivente solitária: sou Eleanor Oliphant. Não preciso de mais ninguém: não há nenhum grande vazio na minha vida, não falta peça nenhuma no meu puzzle particular. Sou uma entidade autónoma. Pelo menos, foi o que sempre assegurei a mim própria. Porém, ontem à noite, encontrei o amor da minha vida. Quando o vi entrar em palco, simplesmente soube. Ele trazia um chapéu muito elegante, mas não foi isso que me atraiu. Não; não sou assim tão superficial. Vestia um fato de três peças, com o botão de baixo do colete desabotoado. Um verdadeiro cavalheiro nunca abotoa o último botão, foi o que a mamã garantiu - é um dos sinais a procurar, pois indica um homem sofisticado e elegante, da classe e posição social apropriadas. O rosto atraente, a voz... Enfim encontrara um homem que podia ser descrito, com algum grau de certeza, como "um bom partido".
A mamã ia ficar felicíssima."   

Mas quem é afinal Eleanor Oliphant?

É uma mulher com uma vida perfeitamente normal - ou assim quer acreditar. É excêntrica e pouco dotada na arte da interação social, cuja vida solitária gira à volta de trabalho, vodca, refeições pré-cozinhadas e conversas telefónicas semanais com a mãe.
Porém, a rotina que tanto preza fica virada do avesso quando conhece Raymond - o técnico de informática do escritório onde trabalha, um homem trapalhão e com uma grande falta de maneiras - e ambos socorrem Sammy, um senhor de idade que perdeu os sentidos no meio da rua.
A amizade entre os três acaba por trazer mais pessoas à vida de Eleanor e alargar os seus horizontes. E, com a ajuda de Raymond, ela começa a enfrentar a verdade que manteve escondida de si própria, sobre a sua vida e o seu passado, num processo penoso mas que lhe permitirá por fim abrir o seu coração.


Para ficar a conhecer a Eleanor e a sua história, 

Visite-nos





fevereiro 16, 2018

QUAL É O SEGREDO PARA SE TER SUCESSO NAS REDES SOCIAIS?


Uma rede social tem o objetivo de partilhar informações, 
experiências e os teus conhecimentos e interesses.



A maioria de nós tem conta de Facebook, Instagram, se calhar até no Twitter e Linkedln,
 mas será que usamos estas redes sociais a nosso favor?


Vivemos na Era Digital, onde tudo é muito mais instantâneo, onde a tecnologia e as novidades tecnológicas se vão apoderando dos nossos interesses. É inevitável: o mundo não está a mudar, o mundo já mudou.





Por que motivo preciso das redes sociais?
Onde devo estar e porquê?
Que informação devo partilhar?
Como criar um bom perfil? 
Quais os riscos e perigos do mundo virtual?


Para se tornar um guru das redes sociais só precisa de nos visitar e 
requisitar este livro que o Miguel Raposo escreveu
 e que a Manuscrito editou.



O objetivo deste livro é ser um descomplicador das redes sociais e de tudo o que envolve o universo digital, um mundo cheio de possibilidades, mas que também acarreta alguns riscos que convém conhecer.
Este universo digital permite a muita gente criar um pequeno negócio sem grande investimento. Permite que um desconhecido se torne uma celebridade a nível mundial. Permite que um artista dê a conhecer ao mundo a sua música sem ter de passar por uma editora e que uma dona de casa partilhe as suas receitas com o universo e ainda ganhe dinheiro com isso.



Miguel Raposo é um profissional com uma visão global da gestão de negócios, tendo adquirido ao longo do seu percurso profissional um vasto know-how na área da comunicação e tecnologia.

"O Miguel Raposo é, neste momento, uma espécie de Zuckerberg da margem sul. (...)
Tal como na vida, também nas redes sociais há horas para tudo, há modo de dizer as coisas e há até tempo e espaço para ajudar pessoas e projetos. É aí que o Miguel entra e explica como tudo funciona".
                                                                                                                       António Raminhos







Boa Leitura




fevereiro 07, 2018

2.º FRAGMENTO DO NOSSO PATRIMÓNIO




FRAGMENTOS é a denominação de uma nova página, que passará a encontrar nos nossos blogues. No ano em que se assinala o Ano Europeu do Património Cultural, a Biblioteca Municipal irá publicar 12 fragmentos do nosso património concelhio, um por mês. Desta forma, pretendemos dar o nosso contributo para incentivar a pesquisa e o conhecimento, dando a conhecer ou relembrando acontecimentos, lugares, memórias, daquilo que nos identifica e que, historicamente, nos une enquanto comunidade. 
O presente vive-se, o futuro há-de vir, mas o passado fica sempre: é a nossa identidade e o nosso Património.



Hoje publicámos o 
2.º FRAGMENTO DO NOSSO PATRIMÓNIO. 

Não deixe de passar todos os meses por AQUI







janeiro 23, 2018

TODAS AS TERRAS TÊM A SUA HISTÓRIA



"(...) Todas as terras têm a sua história, e a Marinha Grande não é exceção. Mas esta história é diferente, pois é feita com o suor e lágrimas de famílias onde nasciam verdadeiros artistas, numa arte tão própria tal como o foi tardiamente reconhecida. E foi à custa do esforço de homens, mulheres e crianças (sim, crianças!), que lutaram por si e pelos seus, bem como em prol de uma melhor vida para toda um profissão - a de vidreiro."
Alexandra Luz,
In, prefácio de Marinha Grande em Carne Viva



"(...) alguém tentava fazer alguma coisa pela indústria do vidro, nomeadamente pela Nacional. Era o Engenheiro Acácio Calazans Duarte, que tinha sido poucos anos antes nomeado pelo Estado para seu diretor, e procurava modernizar a atividade, de acordo com o que aprendera ao formar-se na Suíça, e dar melhores condições aos seus trabalhadores.
Manteve durante bastante tempo uma acérrima discussão (...) com o Engenheiro António Arala Pinto, que chefiava a 3º Circunscrição Florestal (Mata de Leiria), e que era contrário à manutenção da indústria vidreira na Marinha Grande, principalmente no caso da Nacional, argumentando com a má qualidade do vidro que era então produzido."


Caro Leitor, ficou curioso? 
Todos os factos descritos neste romance fazem parte da História da nossa cidade.
Para ficar a saber um pouco mais sobre a Marinha Grande,
só tem que nos visitar e requisitar o Livro. 


Marinha Grande em Carne Viva
Escrito por Fernando Luz
Editado pela Textiverso



As famílias Sousa e Ferreira acompanham a história da Marinha Grande entre a 1º Grande Guerra e a mortal gripe pneumónica que se lhe seguiu, até à revolta dos vidreiros desempregados que em 1931 trabalhavam na abertura das estradas do pinhal, face às terríveis condições em que se encontravam. Pelo meio, nasce uma improvável amizade entre dois jovens de condições sociais e económicas completamente diferentes.




Fernando de Jesus da Luz é Procurador-Geral Adjunto jubilado. Fez a sua formação académica na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. É natural de Maceira, Leiria, mas desde 1979 que tem a sua residência habitual na Marinha Grande. 
Devido à sua profissão esteve por várias vezes deslocado noutros pontos do país, mas mantendo sempre uma ligação próxima à Marinha Grande. Foi sócio fundador do Clube de Ténis da cidade.
Um dos seus passatempos preferido é a leitura, sendo um leitor assíduo da Biblioteca Municipal.
Na Marinha Grande receita da venda deste livro reverteu para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da cidade e, em Leiria, a receita foi para a Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral.


Boa Semana Boa Leitura






janeiro 17, 2018

FRAGMENTOS







FRAGMENTOS é a denominação de uma nova página, que passará a encontrar nos nossos blogues. No ano em que se assinala o Ano Europeu do Património Cultural, a Biblioteca Municipal irá publicar 12 fragmentos do nosso património concelhio, um por mês. Desta forma, pretendemos dar o nosso contributo para incentivar a pesquisa e o conhecimento, dando a conhecer ou relembrando acontecimentos, lugares, memórias, daquilo que nos identifica e que, historicamente, nos une enquanto comunidade. 
O presente vive-se, o futuro há-de vir, mas o passado fica sempre: é o nosso Património.

Não deixe de passar todos os meses por AQUI







dezembro 22, 2017

AS TRADIÇÕES SÃO PARA SE CUMPRIREM : AQUECEM-NOS POR DENTRO

Ilustração de Stevan Dohanos

"Quando chega dezembro, parece que, de repente, as pessoas endoideceram. É uma estranha loucura de inverno, um ritmo de vida frenético, uma má disposição com que se acorda, mas uma má disposição diferente de todas, e sem qualquer razão aparente, que nos faz andar com um estúpido sorriso nos lábios enquanto nos acotovelamos nas lojas, com licença, com licença, desculpe mas eu vi primeiro este urso de pilhas, com licença, com licença que estou na minha hora de almoço e esta é a única altura em que posso vir às compras, e eu?, se calhar julga que ando aqui a brincar, não?, tivesse vindo mais cedo se não queria atrapalhações, mais cedo?, qualquer dia começamos a fazer as compras de Natal em agosto, e por que não?

Ilustração de Norman Rockwell
Pois é. Todos os anos pela mesma altura fazemos as mesmas tristes figuras, e todos os anos prometemos que para o ano é que tudo vai ser diferente, e todos os anos refilamos que o Natal não é isto, que o Natal está a perder toda a sua espiritualidade, o Menino a nascer nas palhinhas, a mensagem de fraternidade e humildade e essas coisas - ouvimos logo o marido a perguntar se já comprámos a prenda para a mulher do patrão, "Olha que tem de ser coisa que se veja, aí não se pode poupar" ou então é a mãe que nos telefona a saber se já comprámos a prenda para ela dar aos netos, sim porque nós estamos folgadas e cheias de tempo, ela é que não tem um minuto livre, e além do mais nós é que sabemos do que as crianças precisam, que o tempo não vai para gastar dinheiro em presentes inúteis.
Com tudo isto, palavra que me faz uma confusão tremenda que ainda haja crianças que acreditem no Pai Natal. Elas acompanham os pais em intermináveis excursões de compras aos hipermercados, esperam horas infindas na bicha da caixa registadora com carrinhos ajoujados de compras (à vista desarmada empilham-se Nenucos - raio de nome que foram dar ao boneco - Meus Pequenos-Póneis, Sega Mega Drives, Barbies e Kens, ursos de peluche de três metros de altura) e elas ainda têm a força e a inocência q.b. para acreditarem  que tudo aquilo lhes vai parar às mãos no dia 25, por obra e graça do Pai Natal.
Que está lá muito longe, num sítio que elas ainda não perceberam bem se é o céu ou um país cheio de neve, mas seja onde for as novas tecnologias já lá chegaram, pois elas ainda há dias o viram na televisão a falar directamente com crianças de vários países. Neste momento até já deve estar na internet."
                                                                         
 In, Pezinhos de Coentrada, de Alice Vieira


Aproveite o tempo livre da quadra natalícia para ler. 
Requisite o livro na sua Biblioteca Municipal.








dezembro 15, 2017

NÃO SOU O ÚNICO



"Os Stones foram a banda que me levou a ser músico e me levou a tocar guitarra"




"Aprendi e experimentei muitas coisas. Tive algumas relações amorosas importantes, que me ensinaram muito e me fizeram crescer. Tenho orgulho na minha carreira profissional e gosto do que faço. Sou um homem feliz e apaixonado pela vida. Para além disso, tive uma sorte incrível por tudo o que vivi, o que faço e a família que tenho. Não tenho queixa nenhuma."
                                                                             
Entrevista a Inês Mestre em julho de 2004


A partir da próxima semana e até ao fim do mês,a nossa mostra bibliográfica
no átrio de entrada da Biblioteca Municipal será dedicada a biografias.

Assim, sugerimos-lhe ler a biografia de Zé Pedro
guitarrista dos Xutos & Pontapés,
escrita pela sua irmã Helena Reis,
editado pela Presença.




Neste livro somos convidados a entrar no mundo de Zé Pedro, dos seus sonhos, das suas paixões. Viajamos à sua infância festiva e luminosa, aos verões intemporais na praia do Vau, aos anos de adolescência nos Olivais, ao estonteante começo dos Xutos & Pontapés, aos amores vividos e sonhados, às conversas lânguidas e intermináveis no alpendre da casa de Melides, aos grandes sucessos da banda e ao fervor dos fãs, ao Johnny Guitar e ao panorama musical da época, às incontáveis tournées pelo país e estrangeiro... e sempre às muitas e belíssimas histórias que o acompanharam e nos encantaram.
É uma viagem apaixonante e irresistível que este livro nos propõe e uma oportunidade única de ficarmos a conhecer por dentro o sonho inabalável de um homem que mudou para sempre a história do rock português e que nos deixou no passado dia  30 de novembro.




"Foi ele que me fez imaginar que afinal era possível. Não só era possível, estava a acontecer!"
                                                                                                            Tim













novembro 15, 2017

TINHA SETE ANOS E JÁ VIVIA COMO RAPAZ




"Eles mandam raparigas como eu para o manicómio - ou, simplesmente, apedrejam-nas até à morte. As mais afortunadas poderão vir a casar com um elemento de uma tribo rival, para contaminarem o sangue da tribo."



Maria Toorpakai Wazir, nasceu a 22 de novembro de 1990, numa Área Tribal do Paquistão, numa zona repressiva e violenta, onde a simples ideia de mulheres serem atletas profissionais é considerada haram (proibido).
Desde sempre amante do desporto, treinou e competiu disfarçada de rapaz em diversas ocasiões.
No entanto, Maria, fruto de uma união singular, foi desde tenra idade incentivada a viver como rapaz - a sua família, e em particular o pai, sabiam que só assim ela conseguiria evoluir enquanto ser humano. É a melhor atleta feminina do Paquistão em squash.
A sua irmã, Ayesha Gulalai, é um dos membros femininos mais proeminentes da Assembleia Nacional paquistanesa.


 "Eu cresci com a prática aceite de que as mulheres pastós se mantinham em casa, aventurando-se apenas a pôr um pé na rua quando devidamente envelopadas dos pés à cabeça com vestimentas chamadas abayas ou burcas, ou longos xailes chamados xadores. E sempre acompanhadas por um homem - ou um simples rapazinho -, constantemente a seu lado.


É a história desta mulher de 26 anos, cujo desporto foi a tábua de salvação de uma existência submetida ao purdahque hoje divulgamos.


Uma filha diferente retrata a jornada angustiante de Maria, desde que lhe foi permitido viver como rapaz até à descoberta do desporto, como forma de emancipação - primeiro, o halterofilismo, ainda sob "disfarce", e mais tarde o squash, a sua verdadeira paixão. No entanto, a visibilidade nacional, fruto de um rio de sangue, suor e lágrimas, significou também uma sentença de morte: as luzes da ribalta colocaram-na, e à família, na mira dos talibãs paquistaneses. A única hipótese de sobrevivência de Maria é fugir do país. Graças ao desporto, que tanto ama, alcança finalmente o seu sonho: ser uma campeã e uma voz ativa em defesa dos mais elementares direito das mulheres. 
"E, sobretudo, quero agradecer ao povo amante da paz do Canadá, por me terem recebido na sua bela nação - tornando-a para mim um lar seguro longe do meu próprio lar".
                                                                                                                     Maria Toorpakai












outubro 30, 2017

MULTIPLICIDADES



É isso mesmo. A Biblioteca Municipal é um local de encontro de múltiplas ideias, etnias, gostos, culturas, comportamentos e, no caso concreto que queremos abordar hoje, de múltiplas idades. 
Foi o que aconteceu na passada semana. No mesmo dia, mas em horas diferentes. Da parte da manhã, foi local de encontro com 40 crianças e acompanhantes, de duas turmas do 1º ano do ensino básico. 






À tarde fomos, também, local de encontro. Mas desta vez, o encontro foi mais calmo, num ritmo mais lento e cauteloso, com 25 utentes e acompanhantes do Centro Social e Paroquial de Vieira de Leiria. O gosto pelos livros, pela leitura e por ouvir ler não tem idade.








As idades podem ser diferentes, mas as reacções são iguais:

entusiasmo, satisfação, gosto pelos livros e pela leitura e, sobretudo, 
um grande desejo de viver e voltar.








outubro 11, 2017

ESTA ESCADA, DE ONDE VEM E PARA ONDE VAI?


Escada Camondo, Istambul



Em Istambul, confluência de mundos, esta estranha escada desperta a atenção de Tiago Salazar,  que decide ir atrás da sua história.
- Esta escada, de onde vem e para onde vai?




Tiago Salazar nasceu em Lisboa, em 1972. Formou-se em Relações Internacionais e estudou Guionismo e Dramaturgia em Londres. É doutorando em Turismo no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, estando a preparar uma tese sobre A Volta ao Mundo, de Ferreira de Castro.
Trabalha como jornalista desde 1991, atualmente como freelancer. 
Em 1995 Venceu o prémio Jovem Repórter do Centro Nacional de Cultura.
É formador de Escrita e Literatura de Viagens. Idealizou, escreveu e apresentou o programa da RTP2 Endereço Desconhecido.
Em 2010 Foi Bolseiro da Fundação Luso-Americana em Washington, ao abrigo da Bolsa José Rodrigues Migueis. É autor de vários livros de viagens: Viagens Sentimentais, editado em 2007, faz parte do fundo documental da Biblioteca Municipal.
A Escada de Istambul é a sua estreia no romance e começou com uma conversa entre dois estranhos numa escadaria bifurcada na cidade de Istambul.


"Podia ter sido uma reportagem, porque é uma história real; 
tornou-se um romance histórico porque a história é encantadora, ainda que trágica. 
E é muito mais do que uma biografia ou biografias de pessoas avulsas
 - é a história da humanidade, de uma família que representa um todo."
                                                                                             Tiago Salazar


Tiago Salazar escreveu
Oficina do Livro editou
A ESCADA DE ISTAMBUL



Conhecidos como os "Rothschild do Oriente", os judeus Camondo erraram pela Europa até se instalarem em Istambul, onde viriam a tornar-se banqueiros do sultão e grandes filantropos.
Abraham-Solomon, o patriarca, era o judeu mais rico do Império Otomano e combateu a maldição do judaísmo na Turquia fundando escolas que respeitavam todos os credos e legando ao seu filho e aos netos a importância da caridade e do mecenato. Já em Paris, o seu bisneto Isaac, amigo dos pintores impressionistas, doaria ao Museu do Louvre mais de cinquenta quadros de Monet, Manet e Degas; e o seu primo Moïse, devastado pela morte do filho na Primeira Guerra Mundial, abriria um museu que ainda hoje pode ser admirado e visitado na capital francesa.
E, porém, apesar do seu poder e da sua influência, poucos conhecem a história desta família magnânima. O mistério explica-se: sobre a dinastia Camondo abateu-se uma fatalidade - a sua fortuna e o seu sangue eclipsaram-se nos campos de extermínio de Auschwitz.


"Os primeiros Camondo vieram de Veneza, e antes de Toledo, e antes ainda talvez de Lisboa ou das terras dos tangerinos. Onde punham a mão faziam fortuna, isso é certo. Era como um dom. Haim Camondo, a mulher e os filhos vieram para Istambul depois do doge se ter sentido ameaçado pelo seu poder e os escorraçar. Acabaram por ser expulsos também daqui, pois o Grande Senhor não queria nada com a graça dos judeus.(...)
Se perguntar hoje por aí quem foram os Camondo e lhes disser que foram os homens mais ricos que Istambul já conheceu, acharão que é louco."
In,  A Escada de Istambul



Fotografia de Henri Cartier-Bresson









setembro 20, 2017

NASCI NA PÓVOA DE VARZIM, A 2 DE OUTUBRO DE 1958...



"Tive a oportunidade de passar por diferentes realidades sociais e políticas, o que me permitiu alargar a minha visão do mundo, evoluir como pessoa.
Foi esta evolução da minha atitude perante o mundo que tentei reflectir nestas páginas. Não se trata de verdades absolutas, mas apenas de impressões e opiniões pessoais, nem o livro é uma autobiografia completa, pois não era esse o meu objectivo. (...)
Não, todas as personagens e acontecimentos são reais, havendo aqui todas as semelhanças com a realidade.
Claro que se trata de fragmentos da minha memória, mas não foram escolhidos com outro fim especial além daquele de mostrar a evolução de um jovem que nasce numa família de pescadores, frequenta um seminário católico, parte para a União Soviética e acaba por lá ficar quase 40 anos. (...)
Depois da invasão da Crimeia pelas tropas russas, as relações entre as pessoas tornaram-se mais tensas, sendo cada vez mais difícil conversar com aqueles de quem fui amigo durante muitos anos. O mundialmente famoso escritor russo Lev Tolstoi escreveu que "O patriotismo é o último refúgio dos canalhas", pensamento particularmente válido hoje, quando esse sentimento é empregue para atiçar o ódio de uns contra outros, contra todos os que não se deixam formatar pela propaganda.
Por essas razões, e também porque 38 anos já era muito tempo, decidi regressar ao meu país, onde tento integrar-me novamente, tentando aprender a andar de novo no solo pátrio. Quando se vive tanto tempo longe de Portugal, compreende-se de forma muito profunda que temos o melhor país do mundo, mas também se entende quão mal gerido ele é. É pena".

1991, Moscovo, Mário Soares, Carlos Fino, José Milhazes, Maria Barroso


" Este livro de leitura irresistível permite-nos espreitar
 outro mundo, noutro tempo."
                                                                                                   Cristina Peres, Expresso



Para ficar a conhecer um pouco da História do século XX, do nosso século 
e os seus protagonistas, o Leitor só tem de nos visitar e
requisitar o mais recente livro do jornalista José Milhazes







setembro 06, 2017

SE ALGO PODE CORRER MAL, CORRERÁ MAL

No século XXI muitas coisas podem vir a correr mal.
Mais uma vez se aplica, a já sobejamente conhecida e confirmada ad nauseam, lei de Murphy: "Se algo pode correr mal, correrá mal". Não adianta nada ficar ansioso, porque podemos ter a certeza de que "se sabemos que algo pode correr mal e tomamos as devidas precauções, correrá mal outra coisa qualquer" e, para cúmulo, esta é uma lei que se concretiza sempre na pior das alturas.
Mas não desanimemos, porque "a experiência permite-nos reconhecer um erro sempre que o voltamos a fazer" e tem também a vantagem de "nos levar a cometer erros novos em vez dos antigos".
Além disso "existe sempre uma solução fácil para qualquer problema humano - clara, plausível e ... errada". Mas podemos sempre optar por não fazer nada, pois "quanto menos se faz, menos coisas podem correr mal".
Resta-nos aguardar, sem pressas, por todos os males que aí vêm, pois "ser pontual significa apenas que o nosso erro será cometido a tempo".

  • A política é arte de obter votos dos pobres e fundos de campanha dos ricos prometendo a ambos protegê-los uns dos outros.
  • Se dois homens concordam em tudo, é porque só um deles está a pensar.
  • A probabilidade de um computador bloquear é diretamente proporcional à importância do documento em que se está a trabalhar.
  • Estamos a fazer progressos. As coisas estão a piorar mais devagar.




Aqui estão as leis de Murphy, ao seu dispor na Biblioteca Municipal, que o irão acompanhar no seu dia a dia no século XXI  e que o vão ajudar a perceber que não está sozinho em maré de azar.
Informática, engenharia, comunicação, desporto, etc, etc...nada escapa.
E lembre-se que o "sujeito a quem acabou de tirar o lugar no parque de estacionamento será de certo aquele que o irá entrevistar para o seu novo emprego".



Arthur Bloch, autor norte americano, é um dos autores mais lidos do mundo, conseguindo, através de uma escrita inventiva e inteligente, transmitir sentido de humor partindo de situações que nada têm de engraçado. Arthur Bloch reúne princípios de Murphy e adapta-os a situações da vida real, introduzindo-lhes sempre muito humor e boa disposição, conduzindo os leitores à gargalhada. Talvez por isso, os seus livros sejam bestsellers mundiais. 





E já agora, 
sabe o leitor quem foi Murphy?




Edward A. Murphy (11/01/1918 - 17/07/1990) foi um engenheiro aeroespacial da NASA, que criou, em 1960, um princípio que atribui significados matemáticos às circunstâncias catastróficas, destacando que se houver a probabilidade de ocorrer uma catástrofe, ela vai certamente acontecer. Formulou a sua "lei" na sequência de testes feitos para medir os efeitos da aceleração e desaceleração em pilotos e baseia-se na nossa memória seletiva perante factos ocorridos, que explica a tendência que temos para a negatividade, dando especial ênfase aos pontos negativos em detrimento dos positivos ou neutros.


Os seres humanos são os únicos animais capazes de voltar atrás 
e cometer os erros que antes tinham evitado.



Não cometa o erro de não ler este livro




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...