13/03/2013

AMANHÃ FICO TRISTE, AMANHÃ. HOJE NÃO.


"Apesar de tudo eu ainda acredito na bondade humana"
                                                                                                                                   Anne Frank


"Naquela sexta-feira, 12 de junho, Anne acorda às seis da manhã. Compreende-se: é o seu dia de aniversário, festeja treze anos! Como lhe custa esperar a hora de se levantar! Anne vive com o pai, a mãe e a irmã mais velha, Margot, num bairro novo de Amesterdão. Estamos em 1942. É a guerra. Já há dois anos que a Holanda está ocupada pelos alemães. A família Frank é judia. Os judeus são humilhados e perseguidos pelos alemães. (...) Nesse dia, Anne recebe: livros, um puzzle, um broche, bombons e outros  presentes miúdos. Os pais oferecem-lhe também um diário. Um caderno com capas duras forradas de pano aos quadrados vermelhos e brancos.  Anne está muito contente: é a sua mais bela prenda. (...) Agora, decide fazer como se o diário fosse a sua melhor amiga. Uma confidente a quem poderá dizer tudo e a quem chamará "Kitty". Na primeira página do diário, Anne escreve:
Espero poder confiar-te tudo, como nunca o pude ainda fazer com ninguém, espero que sejas para mim um grande apoio.
(Anne Frank, 12 de junho de 1942)".
                                                                                                       Anne Frank uma vida 

"Quando escrevo, sinto um alívio, a minha dor desaparece, a coragem volta... Ao escrever sei esclarecer tudo - os meus pensamentos, os meus ideais, as minhas fantasias"
                                                                                                                       Anne Frank, in Diário



"Já sabes há muito que o meu maior desejo é vir a ser jornalista e, mais tarde, escritora famosa. Serei capaz de realizar esta minha ambição? (...) Hei-de publicar um livro depois da guerra: O anexo. Se serei ou não bem sucedida, não se pode prever, mas o meu diário servir-me-á de base".
                                      Sexta-feira, 12 de maio de 1944 

A obra foi publicada em formato de diário, em 1947. O livro, que o leitor poderá requisitar na Biblioteca Municipal,  converteu-se num êxito mundial e estima-se que esteja entre os dez livros mais lidos do mundo, com tradução em 60 línguas e mais de 25 milhões de exemplares vendidos.
O Diário de Anne Frank integra a lista de 35 bens do património documental mundial de interesse universal propostos, em 2009, pela UNESCO ao programa "memória do Mundo".



Miep Gies, 1909-2010
"A Miep é o nosso burro de carga, coitada! Quase todos os dias descobre alguma hortaliça e trá-la na sua saca amarrada à bicicleta. Também é ela quem cuida, todos os sábados, da troca dos livros na biblioteca. Estamos sempre ansiosamente à espera do sábado, como criancinhas que esperam uma prenda. As pessoas que estão em liberdade e fazem uma vida normal não podem calcular o que significam os livros para gente isolada do mundo exterior. Ler, estudar e ouvir rádio... é este o nosso mundo!"
                                                                     Anne Frank , in Diário



Miep Gies nasceu em Viena, a 15 de fevereiro de 1909, tendo-se mudado posteriormente com a sua família para a Holanda, em 1922. Foi Miep Gies, que trabalhava para o pai de Anne, Otto, durante a Segunda Guerra Mundial, que reuniu os manuscritos de Anne, mantendo-os a salvo dos nazis na esperança de um dia os devolver à sua autora. 
Mas Anne acabou por morrer de febre tifóide no campo de concentração de Bergen-Belsen,  nos finais de março de 1945, com apenas 15 anos de idade. Nesse mesmo ano, Miep entregou os documentos ao pai, Otto, o único membro da família que conseguiu sobreviver aos campos de concentração alemães.
Após a publicação do Diário de Anne Frank, Miep  viajou por todo o mundo narrando as suas experiências durante o Holocausto, o que lhe valeu numerosos reconhecimentos públicos.
Faleceu a 11 de janeiro de 2010, na Holanda. 

"A minha história é a de uma pessoa comum numa época extraordinariamente terrível. Caberá a nós pessoas comuns de todo o mundo, impedir que se repita".
                                                                                                                                     Miep Gies




Amanhã fico triste,
Amanhã.
Hoje não.
Hoje fico alegre,
E todos os dias, 
Por mais amargos que sejam, 
Eu digo:
Amanhã fico triste, 
Hoje não
Para hoje e todos os outros dias!!


Encontrado na parede de um dormitório de crianças em Auschwitz


Tenha uma boa semana
e lembre-se, 
hoje não é dia de ficar triste

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...